Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/07/2010 - 19h09

Turismo no golfo pode perder US$ 22,7 bilhões devido a vazamento

Publicidade

DA REUTERS

A lucrativa atividade turística na costa sul dos Estados Unidos pode sofrer prejuízos de até US$ 22,7 bilhões (R$ 40,4 bilhões) nos próximos três anos por causa do vazamento de petróleo no poço da BP (British Petroleum) no golfo do México, disse uma entidade do setor nesta quinta-feira.

Um estudo da Oxford Economics para a Associação de Agências de Viagem dos EUA calculou o impacto do vazamento, o pior da história do país, na Flórida, Louisiana, Misssissippi, Alabama e Texas.

"O turismo é parte integral das economias da costa do golfo. Há muita coisa em jogo aqui", disse Adam Sacks, diretor-gerente da Oxford Economics USA.

Em 2008, os visitantes deixaram mais de US$ 34 bilhões (R$ 60,4 bilhões) na região, contribuindo com 400 mil empregos, disse ele.

O vazamento iniciado em 20 de abril causou graves prejuízos ambientais e econômicos, especialmente nos setores de pesca e turismo. O temor de que o óleo macule as populares praias da região fez com que as reservas de turistas tivessem uma queda superior a 10 por cento, segundo Sacks. Isso ocorre até mesmo em partes da Flórida que não foram atingidas pelo óleo.

A Associação de Agências de Viagens prometeu um "mapa da recuperação" com dez itens, como incentivos para o turismo na região.

"Sabemos a partir desta pesquisa que o vazamento de óleo terá efeitos de longo prazo sobre negócios e empregos na região da costa do golfo, a não ser que contrariemos o rumo habitual dos fatos com uma resposta sem precedentes", disse Roger Dow, presidente da entidade, que representa todos os integrantes desse setor que movimenta US$ 704 bilhões (R$ 1,25 trilhão) por ano nos EUA.

O plano inclui a criação de um programa de marketing de US$ 500 milhões (R$ 890,3 milhões), a ser financiado pela BP, para esclarecer a população sobre o acidente e atrair os visitantes de volta. A entidade propôs também a criação de um sistema online para avisar o público sobre quais áreas turísticas já foram reabertas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página