Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/05/2009 - 13h10

Oposição acusa CPI de aprovar relatório que blinda aliados do governo

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

Integrantes da CPI das Escutas Clandestinas da Câmara criticaram nesta quinta-feira a aprovação do relatório final da comissão sem os indiciamentos do delegado Protógenes Queiroz, da Polícia Federal, e do ex-diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) Paulo Lacerda. A oposição acusa a base aliada governista de aprovar um relatório que "blinda" aliados do Palácio do Planalto acusados de envolvimento em escutas clandestinas.

O presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), disse que o governo "não tem interesse em investigar os próprios agentes públicos envolvidos em suspeitas de escutas ilegais".

O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) disse que concordou apenas em anexar as sugestões de indiciamento de Protógenes e Dantas ao relatório final porque a oposição não tem maioria para rejeitar o relatório principal --de autoria do deputado Nelson Pellegrino (PT-BA).

No texto aprovado pela comissão, há sugestão de indiciamento do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity, mas a comissão decidiu poupar Protógenes e Lacerda de indiciamentos.

"A maioria blindou algumas pessoas do governo, tanto que alguns requerimentos de convocação de membros do Executivo não foram aprovados pela comissão. Mais de 90% dos requerimento que foram aprovados aqui poderiam ter sido feitos em comissões permanentes da Casa. A CPI vem abrindo mão dos seus poderes", afirmou Fruet.

A nova relatora da CPI, deputado Iriny Lopes (PT-ES), saiu em defesa do texto de Pellegrino. Lopes assumiu o cargo depois que o antigo relator se licenciou da Câmara para assumir a Secretaria de Justiça do Estado da Bahia. "Não acho que seja um caso de governo. Temos uma CPI que foi duas vezes prorrogada. Não foi um relatório votado a toque de caixa, eu consegui dialogar com a maioria dos membros da CPI", afirmou a relatora.

Comentários dos leitores
Mael Nogueira (49) 07/08/2009 12h00
Mael Nogueira (49) 07/08/2009 12h00
Sobre a matéria:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u606408.shtml
Está na hora da OEA intervir no SENADO e enviar observadores internacionais, caso contrário, o SENADO brasileiro entrará numa crise sem precedentes e isso poderá desestabilizar a democracia no país e a OEA deve obrigar a colocar os Senadores para trabalhar e votar os projetos encalhados e acabar de vez com a ganância pelo poder e cuidar dos seus proprios interesses e de seus partidos políticos.
O SENADO está sendo uma vergonha para o Brasil, parem com esta guerra e coloque a pauta de votação em dia!!!
sem opinião
avalie fechar
Monica Rego (221) 01/07/2009 20h00
Monica Rego (221) 01/07/2009 20h00
Demo tucano e a mídia conservadora tudo a ver!!! 2 opiniões
avalie fechar
Rui Vendramin (1) 01/07/2009 14h25
Rui Vendramin (1) 01/07/2009 14h25
E agora? Será que aquela "revista" semanal, o Senador e o Ministro que afirmaram à Nação que houve diálogo, destes últimos, grampeado, serão chamados a explicar - e comprovar - o que de fato ocorreu? ou aquela "notícia" foi divulgada supostamente apenas para desmoralizar a investigação da PF sobre o Banqueiro condenado? 3 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (1562)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página