Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/12/2006 - 18h12

Presidente da Funai segue Bastos e se despede do cargo

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Mércio Pereira Gomes, anunciou nesta quinta-feira que vai deixar o cargo quando o ministro Márcio Thomaz Bastos (Justiça) formalizar a saída do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mais cedo, Bastos voltou a afirmar que deixaria a Justiça e chegou a indicar os nomes de dois possíveis sucessores: Tarso Genro (ministro das Relações Institucionais) e Sepúlveda Pertence (ministro do STF).

Bastos acompanhou a cerimônia em que foram assinadas portarias para demarcação de dez terras indígenas. Ele não quis comentar a sua saída do ministério.

Emocionado, o presidente da Funai teve de fazer uma pausa em seu discurso porque chegou às lágrimas ao relembrar sua trajetória profissional nos últimos três anos.]

"Meu agradecimento maior é ao ministro [Bastos] por ter confiado em mim. Ele nunca tinha me visto na vida e me reconheceu como pessoa capaz de dirigir a Funai", disse Gomes.

Ele ressaltou em especial a postura "serena" de Bastos, que, segundo ele, "em nenhum momento fez ressalvas, contestações ou deu puxões de orelha" ao seu trabalho.

O presidente da Funai disse que chegou o momento de se despedir, mas se mostrou disposto a esperar a transição no Ministério da Justiça para repassar o cargo ao substituto.

Leia mais
  • Câmara e Senado fecham acordo para elevar salários para R$ 24.500
  • Heloísa diz que é preciso "óleo de peroba" para explicar aumento no Congresso
  • CPI aprova relatório que pede indiciamento de petistas e isenta ex-ministros
  • Relatório da CPI isenta Freud Godoy de participação no dossiê
  • Integrantes da CPI admitem frustração com falta de avanços nas investigações
  • Reajuste no Congresso pode provocar gastos de R$ 1,7 bilhão

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a preparação do segundo mandato de Lula
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página