Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/02/2006 - 19h18

Estudo culpa hormônios por paixão durar só 2 anos

Publicidade

da Efe, em Lisboa

Os hormônios são culpados pela duração de apenas dois anos de uma paixão amorosa, segundo um estudo publicado no último número da revista "Chemistry World", da Real Sociedade de Química do Reino Unido.

Uma equipe de cientistas da universidade de Pisa (Itália) estudou o comportamento dos hormônios em uma relação amorosa e comprovou que o desejo desaparece após dois anos de relacionamento, por causa das mudanças biológicas ocorridas nos corpos dos parceiros.

Para o bioquímico Michael Gross, "enquanto os companheiros prometem amor verdadeiro, os hormônios dão a entender outra coisa".

"Esta pesquisa mostra a presença no sangue de certos hormônios no início da relação, mas não há provas de que eles prevaleçam nos indivíduos que têm uma relação há anos", disse o bioquímico.

Segundo o estudo, enquanto, no início da relação é abundante um elemento químico chamado neurotrofina, que provoca o desejo, com o passar do tempo a quantidade dessa substância diminui, e ela é substituída por um hormônio denominado oxitocina, que consolida os sentimentos mais duráveis de amor e de compromisso.

Leia mais
  • Beijo pode ajudar a curar depressão de início de ano
  • Toque reduz estresse em situação de risco, diz estudo
  • Paixão deixa homens e mulheres mais parecidos, diz estudo
  • Adultos não assumem relação por medo de responsabilidades
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página