Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/02/2006 - 20h53

Polícia prende mãe de criança espancada até a morte

Publicidade

RENATA BAPTISTA
da Agência Folha

A moradora de rua Luciene Coutinho Souza, 26, foi presa em flagrante na noite de quinta-feira (2) em Belo Horizonte. Ela admitiu, em depoimento à Polícia Civil, ter participado do espancamento das filhas que resultou na morte de uma delas, que tinha 18 meses.

Souza chegou com a filha mais nova já morta ao pronto-socorro de Venda Nova. Como os médicos notaram sinais de agressão no corpo da criança, notificaram a polícia, que foi à casa abandonada onde elas se abrigavam, na região norte de Belo Horizonte. Lá, os policiais encontraram a outra filha de Souza, de 5 anos.

A menina foi levada ao hospital em estado de choque e apresentava equimoses e arranhões por todo o corpo. Ela teve alta hoje e foi abrigada em uma instituição cujo nome está sendo mantido sob sigilo pelo Conselho Tutelar. O caso está agora com o Juizado da Infância e da Juventude.

A polícia ainda procura o namorado de Souza, identificado pelo apelido de "Carioca", que segundo ela também teria participado do espancamento.

A moradora de rua está presa no Departamento de Investigações. De acordo com o delegado Alcides Costa, da Divisão de Homicídios, ela disse que bateu nas meninas pois elas estavam chorando. Nos primeiros depoimentos, ela negou participação no crime, atribuindo total responsabilidade ao namorado, com quem vive há cerca de um ano.

Segundo Costa, Souza ainda teria revelado que era mãe de outra garota, que mora em Manaus com a avó materna, e que estaria grávida de três meses.

A conselheira tutelar Marlene Damasceno disse ter ficado surpresa com a notícia. Ela conheceu a mãe e as crianças, que são naturais da Paraíba, há cerca de um mês, quando foi notificá-las por uma denúncia de mendicância.

"A moça parecia muito zelosa com as crianças, e estava inclusive amamentando a bebê. Não mostrava traços de agressividade de maneira alguma", afirmou.

Segundo Damasceno, a família estava sendo atendida por um programa de orientação da assistência social da prefeitura. "A Luciene sempre comparecia quando era solicitada." Souza não havia constituído advogado.

Leia mais
  • Maus-tratos contra criança é 3º crime mais comum no Disque-Denúncia
  • Menina que caiu ao ter o andador chutado pelo pai segue na UTI
  • Polícia investiga morte de menina de 1 ano por espancamento em MG

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre maus-tratos contra crianças
  • Leia a cobertura completa sobre violência contra crianças
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

    Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página