Após acusação de publicação de dados desonestos, cientistas saem em defesa do Inpe

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência lança manifesto neste domingo

Gabriel Alves
Campo Grande

Após ataques do presidente Jair Bolsonaro aos dados de monitoramento de desmatamento gerados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), cientistas reagiram em defesa do trabalho conduzido pelos pesquisadores da instituição.  

Neste domingo (21) a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), a maior sociedade científica do país, lançará um documento em que critica as atitudes de Bolsonaro. A Folha teve acesso ao texto em primeira mão. 

O presidente Jair Bolsonaro criticou dados de desmatamento durante evento no Ministério da Cidadania - Adriano Machado/Reuters

Na última sexta (19), o presidente da República disse a jornalistas que os dados publicados pelo Inpe não condizem com a realidade e que o diretor do instituto, o engenheiro Ricardo Galvão, seria “chamado para se explicar”. Bolsonaro também sugeriu que Galvão poderia estar “a serviço de alguma ONG”.

“A ciência produzida pelo Inpe está entre as melhores do mundo em suas áreas de atuação, graças a uma equipe de cientistas e técnicos de excelente qualificação, e presta inestimáveis serviços ao País. [...] Ricardo Galvão é um cientista reconhecido internacionalmente, que há décadas contribui para a ciência, tecnologia e inovação do Brasil. Críticas sem fundamento a uma instituição científica, que atua há cerca de 60 anos e com amplo reconhecimento no País e no exterior, são ofensivas, inaceitáveis e lesivas ao conhecimento científico”, diz o documento, assinado pelo presidente da SBPC, o físico Ildeu de Castro Moreira.

A Academia Brasileira de Ciências também emitiu nota neste domingo em que reitera o apoio ao Inpe a Galvão: “ Seu corpo de pesquisadores é de altíssimo nível e por isso participa dos principais fóruns mundiais nas áreas de suas especialidades. Sua infraestrutura é invejável e representa o estado-da-arte nas áreas relacionadas à sua missão.”

“O Prof. Dr. Ricardo Galvão é pesquisador reconhecido mundialmente pela excelência do trabalho científico que realiza há mais de quatro décadas, tem prestado excelentes serviços ao país e tanto seu trabalho como o do Inpe não podem ser desrespeitados sem argumentação científica. O Inpe é orgulho do país, realiza trabalho de excelência e os ataques a sua credibilidade científica atacam também toda a comunidade de pesquisadores do Brasil e a soberania nacional.”, conclui o texto, assinado pelo presidente da entidade, o físico Luiz Davidovich.

Os dados são baseados em imagens de satélite e são obtidos  diariamente e disponibilizados em um boletim mensal no site do Inpe. As informações e são utilizadas não só por entidades governamentais, como o Ibama, mas acessíveis para qualquer um que pretenda estudar o desmatamento no país.

O sistema Deter funciona como um levantamento rápido de alertas de evidências de alteração da cobertura florestal na Amazônia, que serve de base para operação contra desmate ilegal, por exemplo. Já o Prodes faz a consolidação desses levantamentos e dá a taxa oficial de desmatamento do país em cada ano.

Desde 1988, quando se iniciou o monitoramento, já foram desmatados, segundo dados do Prodes, 436.258 km² de floresta amazônica, quase duas vezes a área do estado de Roraima, o que equivale a cerca de 10% do bioma no país.

“Em ciência, os dados podem ser questionados, porém sempre com argumentos científicos sólidos, e não por motivações de caráter ideológico, político ou de qualquer outra natureza. Desmerecer instituições científicas da qualificação do Inpe gera uma imagem negativa do país e da ciência que é aqui realizada. [...] manifestamos nossa preocupação com as ações recentes que colocam em risco um patrimônio científico estratégico para o desenvolvimento do Brasil e para a soberania nacional”, encerra o documento da SBPC.

Em outro documento, publicado no último dia 10, autoridades científicas do país, na última semana, saíram em defesa do Inpe: “A excelência do seu trabalho é reconhecida por outros governos, em especial Estados Unidos e França. Esse trabalho é exemplo mundial de competência nesta área, sendo reconhecido como referência por organismos internacionais como a FAO, WMO [Organização Meteorológica Mundial] etc., e está sendo estendido para o monitoramento de todos os biomas brasileiros”, diz carta assinada por representantes da SBPC, da Academia Brasileira de Ciências, de fundações de fomento à pesquisa, entre outros.

“É um sistema de monitoramento único, validado com inúmeros experimentos em campo ao longo das últimas décadas. Os sistemas de monitoramento diários de desmatamento e de detecção de queimadas (Prodes, Deter e Queimadas) refletem o estado da arte mundial neste tema. Utilizam sensores em satélites de última geração, calibrados radiometricamente”, diz o texto. 

No Inpe, as críticas geraram alarme. Sem querer se identificar, funcionários defenderam a qualidade dos dados utilizados para monitorar o desmatamento no país e lembraram que outras instituições, não ligadas ao governo, também fazem mapeamento que aponta para aumento do problema.
 

Abaixo a íntegra dos documentos

MANIFESTO DO CONSELHO DA SBPC EM DEFESA DO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

O Conselho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, em reunião realizada no dia 20/07/2019, deliberou por unanimidade manifestar seu apoio integral ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, dirigido pelo Dr. Ricardo Galvão, face às críticas do trabalho do INPE de monitoramento do desmatamento da Amazônia brasileira, apresentadas em entrevista à imprensa internacional pelo Presidente da República, Sr. Jair Messias Bolsonaro.

Conforme carta das principais entidades nacionais representativas da ciência brasileira, enviada ao Presidente Bolsonaro no dia 10/07/2019 (OF. ABC-97/2019), a ciência produzida pelo INPE está entre as melhores do mundo em suas áreas de atuação, graças a uma equipe de cientistas e técnicos de excelente qualificação, e presta inestimáveis serviços ao País. O Diretor do INPE, Dr. Ricardo Galvão, é um cientista reconhecido internacionalmente, que há décadas contribui para a ciência, tecnologia e inovação do Brasil.

Críticas sem fundamento a uma instituição científica, que atua há cerca de 60 anos e com amplo reconhecimento no País e no exterior, são ofensivas, inaceitáveis e lesivas ao conhecimento científico.
Em ciência, os dados podem ser questionados, porém sempre com argumentos científicos sólidos, e não por motivações de caráter ideológico, político ou de qualquer outra natureza. Desmerecer instituições científicas da qualificação do INPE gera uma imagem negativa do País e da ciência que é aqui realizada.

Reafirmamos nossa confiança na qualidade do monitoramento do desmatamento da Amazônia realizado pelo INPE, conforme a carta anteriormente enviada ao Presidente da República, e manifestamos nossa preocupação com as ações recentes que colocam em risco um patrimônio científico estratégico para o desenvolvimento do Brasil e para a soberania nacional.

NOTA DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS SOBRE O INPE

A Academia Brasileira de Ciências (ABC) vem novamente se manifestar em defesa da excelência do trabalho científico e tecnológico realizado pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Estamos reiterando integralmente carta encaminhada pela ABC e principais entidades representativas de ciência no país, ao Excelentíssimo Presidente da República, Sr. Jair Messias Bolsonaro, na data de 10 de julho de 2019, Of. ABC-97/2019.

O INPE foi criado em 1961 com a missão de produzir informações e tecnologias robustas nas áreas espacial e do ambiente terrestre, bem como disponibilizar produtos e serviços para o Brasil, subsidiar suas políticas públicas e dar suporte à comunidade científica brasileira.  Seu corpo de pesquisadores é de altíssimo nível e por isso participa dos principais fóruns mundiais nas áreas de suas especialidades. Sua infraestrutura é invejável e representa o estado-da-arte nas áreas relacionadas à sua missão.

A partir de 1988, desenvolveu excelentes métodos e procedimentos para monitorar o desmatamento no bioma Amazônico, e alcançou credibilidade internacional invejável. A excelência do seu trabalho é reconhecida por outros governos, em especial Estados Unidos e França. Esse trabalho é exemplo mundial de competência nesta área, sendo reconhecido como referência por organismos internacionais como a FAO, WMO, etc, e está sendo estendido para o monitoramento de todos os biomas brasileiros.

O Prof. Dr. Ricardo Galvão é pesquisador reconhecido mundialmente pela excelência do trabalho científico que realiza há mais de quatro décadas, tem prestado excelentes serviços ao país e tanto seu trabalho como o do INPE não podem ser desrespeitados sem argumentação científica.

O INPE é orgulho do país, realiza trabalho de excelência e os ataques a sua credibilidade científica atacam também toda a comunidade de pesquisadores do Brasil e a soberania nacional.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.