Bolsonaro critica diretor do Inpe por dados sobre desmatamento que 'prejudicam' nome do Brasil

O presidente afirma que dados não condizem com a realidade

Danielle Brant
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta (19) que vai conversar com o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, por causa de dados sobre desmatamento que o capitão reformado diz não condizerem com a verdade e que prejudicam o nome do Brasil no exterior.

Dados preliminares de satélites do Inpe mostram que mais de 1.000 km² de floresta amazônica foram derrubados na primeira quinzena deste mês, aumento de 68% em relação a julho de 2018.

“É lógico que eu vou conversar com o presidente do Inpe. [São] Matérias repetidas que apenas ajudam a fazer com que o nome do Brasil seja malvisto lá fora”, afirmou, ao final de um evento no Ministério da Cidadania em comemoração do Dia Nacional do Futebol.

“Vou conversar com qualquer um que esteja a par daquele comando, onde haja a coisa publicada, que não confere com a realidade, vai ser chamado para se explicar. Isso é rotina, toda semana, todo dia, acontece isso aí.”

Em café da manhã com jornalistas estrangeiros nesta sexta, Bolsonaro questionou os dados que mostram aumento do desmatamento. “Com toda a devastação de que vocês nos acusam de estar fazendo e ter feito no passado, a Amazônia já teria se extinguido”, disse.

Na foto o presidente Jair Bolsonaro sorri e acena com um 'joinha'
O presidente Jair Bolsonaro se reuniu com jornalistas estrangeiros na manhã desta sexta-feira (19) - EVARISTO SA / AFP

O presidente afirmou que os dados do Inpe não correspondiam à verdade e sugeriu que Galvão poderia estar a “serviço de alguma ONG.”

O general Augusto Heleno, em entrevista à BBC, também chegou a afirmar que os dados de monitoramento são manipulados. “Se você for somar os percentuais que já anunciaram até hoje de desmatamento da Amazônia, a Amazônia já seria um deserto. No entanto, nós temos muito mais da metade da Amazônia intocada”, disse o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

Sobre as críticas sofridas por outros países, disse: “E os países que nos querem cobrar o comportamento que eles acham correto nunca seguiram esse comportamento. O maior preservador de ambiente do mundo é o Brasil.

As críticas ganharam intensidade após ameaças à descontinuidade do Fundo Amazônia, que apoia projetos de preservação do bioma e que já recebeu mais de R$ 3 bilhões da Noruega e da Alemanha.

Autoridades científicas do país, na última semana, saíram em defesa do Inpe: “A excelência do seu trabalho é reconhecida por outros governos, em especial Estados Unidos e França. Esse trabalho é exemplo mundial de competência nesta área, sendo reconhecido como referência por organismos internacionais como a FAO, WMO [Organização Meteorológica Mundial] etc., e está sendo estendido para o monitoramento de todos os biomas brasileiros”, diz carta assinada por representantes da Academia Brasileira de Ciências, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, fundações de fomento à pesquisa, entre outros.

“É um sistema de monitoramento único, validado com inúmeros experimentos em campo ao longo das últimas décadas. Os sistemas de monitoramento diários de desmatamento e de detecção de queimadas (Prodes, Deter e Queimadas) refletem o estado da arte mundial neste tema. Utilizam sensores em satélites de última geração, calibrados radiometricamente”, diz o texto. No Inpe, as críticas provocaram alarme.

Sem querer se identificar, funcionários defenderam a qualidade dos dados utilizados para monitorar o desmatamento no país e lembraram que outras instituições, não ligadas ao governo, também fazem mapeamento que aponta para aumento do problema. Os alertas de degradação são registrados por satélite diariamente. Mensalmente, eles são agregados em um boletim, disponibilizado na página do Inpe. 

A acusação do presidente de que os dados não condizem com a verdade, dizem os funcionários, não é baseada em metodologia ou evidências. Segundo um dos servidores, falta a Bolsonaro dizer exatamente dizer como teria acontecido essa manipulação.

Os servidores lembram que os dados são coletados por satélites diferentes —além do nacional, há americano, europeu, israelense, entre outros. Essa variedade é importante para o caso de a imagem capturada por um estar encoberta por nuvens, por exemplo. Tecnicamente, seria impossível falsificar todos os satélites que fazem observação da Terra, diz um funcionário.

O risco de o presidente decidir substituir Galvão é uma preocupação dos servidores. O nome do diretor é apontado pelo ministro de Ciência e Tecnologia e, nos últimos anos, o cargo tem sido ocupado por técnicos.

Na semana passada, Bolsonaro disse que considera revisar as unidades de preservação ambiental. Ele citou como exemplo a estação ecológica de Tamoios, na região de Angra dos Reis. Foi lá que Bolsonaro foi autuado, em 2012, por pesca na área, que é protegida. A multa prescreveu e nunca foi paga pelo presidente.

“No Rio de Janeiro, a gente quer, com dinheiro de fora, transformar a baia de Angra dos Reis em uma Cancún. Mas o decreto que demarcou a estação ecológica só pode ser derrubado por uma lei”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.