Número de agrotóxicos liberados no Brasil em 2019 é o maior dos últimos 14 anos

Ao todo, foram 474 produtos; governo diz que 94,5% são genéricos

São Paulo

Na sexta-feira (27), o Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária liberou 36 novos agrotóxicos para uso no Brasil. Ao todo, em 2019, foram registrados 474 produtos, a maior quantidade dos últimos 14 anos. 

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 94,5% de todos os agrotóxicos registrados neste ano são genéricos, ou seja, utilizam ingredientes que já eram comercializados no país em outros produtos. 

“O objetivo da aprovação de produtos genéricos é aumentar a concorrência no mercado e diminuir o preço dos defensivos, o que faz cair o custo de produção”, diz o órgão. 

Dentre os 36 agrotóxicos liberados, quatro são orgânicos ou biológicos. Na prática, isso quer dizer que estes produtos podem ser utilizados tanto na agricultura orgânica quanto na tradicional. 

Com esses quatro produtos, chega a 40 o número de agrotóxicos orgânicos ou biológicos. 

O ministério afirma que a alta de registros em 2019 se deve à “medidas desburocratizantes” que aceleraram a fila de pedidos de registro. Para o órgão, a liberação dos novos produtos aumentou a produtividade do ministério, bem como da Anvisa e do Ibama —que também são responsáveis por analisar os pedidos. 

Ainda segundo o ministério, além de acelerar a fila de análise de registros, também era objetivo do órgão aprovar novas moléculas que seriam menos tóxicas. Entretanto, as duas novas moléculas liberadas nesta sexta e citadas pelo órgão em nota, (Florpirauxifen-benzil e Fluopiram) são classificadas pela Anvisa como medianamente tóxicas. 

Em setembro, a Folha comparou 96 ingredientes ativos que compõem os agrotóxicos liberados no Brasil até o dia 19 daquele mês. O levantamento revelou que 28 dos 96 ingredientes são barrados na União Europeia, 36 na Austrália, 30 na Índia e 18 no Canadá. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.