Chefe do ICMBio e pecuaristas marcam reunião sobre criação de gado em área de proteção

MPF pede esclarecimentos; Reserva Extrativista Verde Para Sempre só permite atividades por populações tradicionais para subsistência

São Paulo

Pecuaristas e o o presidente do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), Homero de Giorge Cerqueira, devem estar presentes em um encontro, em março, para falar sobre criação de gado em uma unidade de conservação no Pará. Ao tomar conhecimento do fato, o MPF (Ministério Público Federal) pediu esclarecimentos a Cerqueira, na última sexta (14).

O encontro, marcado para 14 de março, é relacionado aos criadores de gado da Reserva Extrativista Verde para Sempre, na qual, como dita a lei, as áreas só podem ser utilizadas por populações tradicionais para subsistência a partir de extrativismo, agricultura de subsistência e criação de animais de pequeno porte.

Além do presidente do ICMBio, o senador Zequinha Marinho (que já afirmou que a maioria dos fiscais do Ibama é de "esquerdistas que odeiam" Bolsonaro) e o deputado federal Júnior Ferrari estão listados como participantes do evento 3º Encontro dos Criadores de Gado da Resex Verde Para Sempre, no município de Porto de Moz.

Imagem que mostra a participação do presidente do ICMBio, Homero Cerqueira, em evento de pecuaristas
Imagem que mostra a participação do presidente do ICMBio, Homero Cerqueira, em evento de pecuaristas - Reprodução
​A reserva extrativista foi criada em 2004 pelo então presidente Lula e tem quase 13.000 km².

Em ofício a Cerqueira, o MPF afirma que cabe "ao Presidente do ICMBio garantir o cumprimento
das finalidades das Unidades de Conservação, devendo tal conduta ser adotada tanto em
suas manifestações formais quanto em suas manifestações públicas".

O MPF solicitou esclarecimentos sobre a participação dentro de um prazo de 15 dias. 

A Folha procurou o ministério do Meio Ambiente, mas até a publicação desta reportagem não havia recebido um posicionamento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.