Terra indígena onde antropólogo foi preso teve recorde de desmate sob Bolsonaro

Imagens mostram a Ituna/Itatá, no Pará, praticamente intacta em 2017 e desmatada em 2019

Manaus

Alvo de grileiros, a Terra Indígena (TI) Ituna/Itatá, no Pará, sofreu uma onda de desmatamento sem precedentes em áreas protegidas nos últimos dois anos. A avaliação é da iniciativa Mapbiomas, o maior programa independente de monitoramento do solo por satélite no Brasil.

Imagens geradas pelos sistema  Planet/SCCON e analisadas pelo MapBiomas mostra que, em 2017, a TI Ituna/Itatá, de 142 mil hectares, estava praticamente intacta. Dois anos depois, é possível ver estradas e grandes áreas desmatadas.

Entre 2018 e 2020, foram 112 km2 desmatados (o equivalente a 71 parques Ibirapuera, em São Paulo), segundo o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon.

“Nunca vi nada parecido”, afirma Tasso Azevedo, do projeto MapBiomas. “Tem todos elementos de uma coisa sistemática e intencional de inviabilizar a área protegida.”

Mapa mostra área da terra indígena totalmente verde
A Terra Indígena (TI) Ituna/Itatá, no Pará, em julho de 2017 - Mapbiomas
Mapa mostra já alguns pontos de desmatamento
A Terra Indígena (TI) Ituna/Itatá, no Pará, em junho de 2018 - Mapbiomas
 
Mapa mostra grande avanço do desmatamento no interior da terra indígena
Terra Indígena Ituna/Itatá em agosto de 2019, com avanço do desmatamento - Mapbiomas

A situação é mais dramática por se tratar de uma área de índios isolados, bastante vulneráveis, afirma Azevedo. Ao longo da história, são inúmeros os casos de etnias extintas por terem baixa imunidade a doenças como gripe e sarampo.

Localizada na região da usina de Belo Monte, Ituna/Itatá é uma área de restrição de uso, por meio de uma portaria renovada em janeiro de 2019, com validade de três anos. O objetivo é permitir que a Funai faça estudos sobre o grupo de isolados, de etnia desconhecida, e garantir a sua proteção. A política oficial é de que o contato com não indígena seja feito apenas de forma voluntária pelos isolados.

Com a eleição de Bolsonaro, contrário à demarcação de terras indígenas, os grileiros invadiram a área protegida com a expectativa de que Ituna/Itatá deixe de existir. A ação conta com o apoio do senador Zequinha Marinho (PSC-PA). 

Em janeiro, Marinho chamou os fiscais do Ibama de “bandidos e malandros” por destruir e aprender equipamento na TI.

Para legalizar as invasões, o senador conta com a assessoria do antropólogo bolsonarista Edward Luz. No domingo (16), ele foi detido e algemado dentro da Ituna/Itatá após tentar impedir a fiscalização do Ibama.

Seu pai, que também se chama Edward Luz, é o presidente da organização evangélica MNTB (Missão Novas Tribos do Brasil), expulsa, no começo dos anos 1990, da região habitada pelos índios zoés, no Pará, contatados ilegalmente por eles.

Recentemente, a Funai nomeou o teólogo e missionário da MNTB Ricardo Lopes Dias para a Coordenação-Geral de Índios Isolados e Recém Contatados da Fundação Nacional do Índio (Funai). 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.