Descrição de chapéu BBC News Brasil

Tubarões estão 'funcionalmente extintos' em 20% dos recifes, diz pesquisa

Para cientistas, a queda nas populações do animal foram causadas por técnicas de pesca 'destrutivas e não-sustentáveis'

São Paulo | BBC News Brasil

A população de tubarões —os temidos predadores dos mares— caiu, segundo um novo estudo.

Uma pesquisa publicada na revista científica Nature diz que a pesca é responsável pela diminuição da quantidade de tubarões em muitos dos recifes de coral do mundo.

A partir de uma rede de câmeras subaquáticas, os pesquisadores descobriram que os tubarões estavam "funcionalmente extintos" em 20% dos recifes pesquisados.

A pesquisa indica que a pesca é responsável pela diminuição da quantidade de tubarões recifes de coral em todo o planeta
A pesquisa indica que a pesca é responsável pela diminuição da quantidade de tubarões recifes de coral em todo o planeta - Getty Images

Uma espécie é "funcionalmente extinta", segundo classificação da Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, quando sua população reduzida não mais representa um papel significante no ecossistema ou quando a população de reprodutores é tão pequena que ela não é mais capaz de se sustentar.

Os pesquisadores culpam as técnicas de pesca "destrutivas e não-sustentáveis" pelos problemas que identificaram em 58 países.

"Os tubarões estavam quase completamente ausentes dos recifes em vários países", diz o estudo.

Os tubarões desempenham um papel fundamental para manter o ecossistema do oceano saudável —de onde vem parte da alimentação de muitos de nós.

Pesquisadores estudaram tubarões em 371 recifes ao longo de quatro anos
Pesquisadores estudaram tubarões em 371 recifes ao longo de quatro anos - Getty Images

Uma população saudável de tubarões também é crucial para países cuja economia depende do turismo, já que muitos destinos têm o mergulho como atração.

Globalmente, estima-se que cerca de 100 milhões de tubarões sejam mortos a cada ano por quem busca extrair suas barbatanas e carne.

Segundo o estudo, os recifes mais afetados são os que ficam próximos de populações humanas em países com práticas fracas de governança.

Os pesquisadores apontam que os países com pior classificação para tubarões de recife incluem Catar, República Dominicana, Colômbia, Sri Lanka e o território americano de Guam.

Mais de 15 mil horas de filmagem capturaram 59 espécies diferentes de tubarões
Mais de 15 mil horas de filmagem capturaram 59 espécies diferentes de tubarões - Getty Images

Dos 58 países estudados, 34 tinham número de tubarões que correspondia à metade do que era esperado pelos cientistas. Isso, segundo eles, sugere que a perda de tubarões é bastante comum entre os recifes em todo o mundo.

Mas eles encontraram exceções. A população de tubarões continua relativamente alta no maior sistema de recifes de corais do mundo, a Grande Barreira de Corais, na costa da Austrália.

Lugares como as Bahamas e a Austrália tinham características que os cientistas associaram a "aumento da abundância de tubarões de recife".

Esses lugares eram vistos como "bem governados e com forte administração" nos santuários de tubarões, áreas em que a pesca comercial é proibida.

Como resolver esse problema?

A boa notícia sobre a população de tubarões é que essa queda pode ser revertida, de acordo com os especialistas.

Para alcançar "ganhos significativos em conservação", é importante implementar políticas que provavelmente serão aceitas em diferentes sociedades, segundo os especialistas.

A redução no número de tubarões está afetando a saúde dos recifes de coral
A redução no número de tubarões está afetando a saúde dos recifes de coral - Getty Images

O estudo identifica duas formas de ajudar nos esforços de conservação dos tubarões. Uma delas é a gestão responsável da pesca, que consegue extrair benefícios sustentáveis ​​a partir de recursos oceânicos renováveis.

Outra medida, segundo eles, é a adoção de medidas em todo o mundo de proibição de caça e do comércio de tubarões.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.