Garimpeiros ilegais fecham aeroporto durante visita de Salles a cidade do Pará

Ministro viajou para acompanhar operação do Ibama contra garimpos ilegais em terra indígena

Brasilândia (MS)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, enfrentou nesta quarta-feira (5) um protesto de garimpeiros durante visita à Jacareacanga (PA), a 1.695 km de Belém. Ele foi à região para acompanhar uma operação do Ibama contra garimpos ilegais de ouro na Terra Indígena (TI) Munduruku.

Imagens distribuídas em redes sociais mostram garimpeiros não indígenas e mundurucus fechando a pista do aeroporto de Jacareacanga, após a saída de Salles, que foi à região acompanhado de um grupo de jornalistas .

Um dos garimpeiros gravou um vídeo diante de um avião da Força Aérea em que diz que “o garimpeiro é que faz as coisas pelos indígenas aqui”. Segundo levantamento da ONG Greenpeace, a região do Alto Tapajós, onde está a TI Munduruku, concentra 60% da destruição provocada pelo garimpo em toda a Amazônia ao longo dos últimos 12 meses.

A atividade ilegal é feita por meio de PCs (retroescavadeiras), que rapidamente destroem os igarapés e rios da região, devastando as margens, despejando toneladas de resíduos e alterando os cursos d’água.

​A operação realizada nesta quarta já era de conhecimento dos garimpeiros ao menos desde domingo, quando sites da região relataram a chegada a Jacareacanga de militares que fazem o combate a crimes ambientais por meio da Operação Verde Brasil 2, em conjunto com o Ibama.

Para o Greenpeace, o aumento do garimpo ilegal na região está relacionado às promessas do presidente Jair Bolsonaro de legalizar a atividade em terras indígenas.

“Além de estar intimamente ligado ao claro processo de desmonte da política ambiental brasileira, o ‘liberou geral do garimpo está profundamente associado ao desejo do presidente em abrir as terras indígenas à mineração e ao garimpo, que já foi alvo de ação institucionalizada por meio do PL 191, enviado pelo Executivo em fevereiro deste ano, num flagrante desrespeito à Constituição de 1988, ao desejo de proteção das terras indígenas já expressado pela ampla maioria da sociedade brasileira e ao direito dos povos indígenas à consulta livre, prévia e informada”, diz o Greenpeace, em nota.

A reportagem da Folha procurou Salles questionando a estratégia do Ibama na TI Munduruku, mas não houve resposta até a conclusão deste texto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.