Descrição de chapéu
Bheka Munduruku

Ser munduruku é ser Amazônia

Caçávamos cabeças; agora, preferimos fazê-las

Bheka Munduruku

Na Amazônia vivem 300 mil indígenas. Nós, da etnia munduruku, somos 13 mil, divididos em 120 aldeias. Eu tenho 16 anos, nasci e moro até hoje na Terra Indígena Sawré Muybu. Ela é o meu mundo. Temos nossas brincadeiras, gostamos de nos pintar e cantar as canções que foram ensinadas por nossos pais. 

Tiramos tudo o que precisamos da nossa terra: pescamos e caçamos (apenas o suficiente para a nossa subsistência), além de plantarmos mandioca, banana, batata, cana-de-açúcar, cará, abacaxi e pimenta, sem destruir a floresta. A natureza é nossa mãe. Ela nos dá tudo o que precisamos e, em troca, tratamos dela com carinho. Gosto da vida que levo, mas não pretendo obrigar ninguém a viver como vivo. Com que direito, então, querem nos impor costumes e valores estranhos à nossa cultura? 

Bheka Munduruku, Guerreira indígena da etnia munduruku
A guerreira Bheka, da etnia munduruku - Divulgação

Os mais jovens aprendem quase tudo com os mais velhos. Assim, sabemos como nossa cultura é rica e antiga, e de nosso lugar no mundo. Nossos pais e avós contam que Karosakaybo, o Grande Ser, fez surgir de uma fenda nas cabeceiras do rio Crepori, um afluente do Tapajós, quatro casais que deram origem à humanidade: um branco, um negro, um indígena e um munduruku. Os pariwat, como chamamos os estrangeiros, foram povoar o mundo. Nossos ancestrais ficaram. 

Ainda estamos aqui. Não apenas sobrevivemos do que tiramos de nossa terra —cuidar dela é a própria razão de nossa existência. Nós a protegemos há mais de 4.000 anos, mas a história pariwat registra que nos encontramos pela primeira vez em 1768. Desde então fomos obrigados a acrescentar a resistência entre nossos hábitos. Ninguém é obrigado a acreditar em nosso mito de criação, mas se os cristãos encontrassem o Jardim do Éden não o venerariam e fariam de tudo para preservá-lo? Por que querem nos tirar esse direito, que consideramos um dever?

Sabe-se hoje que a floresta em pé ajuda a conter as mudanças climáticas. Nós mesmos já sentimos os seus efeitos: teve ano que choveu em março, em vez de novembro. Mas o desmatamento não é a única ameaça que ronda a Amazônia. E não temos mais como protegê-la sozinhos. Como qualquer cultura, a nossa assimilou novos costumes e evoluiu. Cultivamos nossas tradições, mas não paramos no tempo, não vivemos na pré-história. 

Os munduruku já foram caçadores de cabeça; agora, preferimos fazer cabeças. Queremos convencer todo o mundo —inclusive os cabeças-duras— da importância de preservar a floresta e os seus rios.

Não precisamos de ouro, mas não podemos mais nadar no Tapajós, pois ele adoeceu: suas águas estão contaminadas pelo mercúrio do garimpo ilegal. E o governo ainda insiste no plano de construir 43 hidrelétricas em sua bacia. O Tapajós é o último afluente da margem direita do rio Amazonas a correr livre. Barrar um rio é matar tudo o que nele vive.

O Tapajós tem cerca de 500 espécies de peixes e mais de 300 delas podem desaparecer se a hidrelétrica de São Luiz for construída. Em nome de quê? A gente se pergunta, mas você também deveria se perguntar. 

Belo Monte está aí para servir de exemplo. A usina não foi um bom negócio. Nem para os povos que vivem às margens do Xingu nem para os pariwat. Munduruku significa “formigas vermelhas”. Nos deram esse nome porque lutávamos lado a lado. Junte-se ao nosso formigueiro e nos ajude a defender a Amazônia.

Bheka Munduruku

Guerreira indígena da etnia munduruku

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.