Peixes do Pinheiros são boa notícia, mas só perdurarão se investimento em despoluição continuar, dizem especialistas

Animais foram flagrados por ciclistas em trecho próximoà ponte Cidade Jardim

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Vídeos de peixes nadando no rio Pinheiros, na capital paulista, surpreenderam as redes sociais nesta segunda-feira (12). Segundo especialistas, a presença dos animais é um indicativo de recomeço de vida no local.

De acordo com eles, os animais vieram de outros afluentes onde as águas já estão recuperadas. No entanto, é positivo que eles tenham encontrado um ponto no rio Pinheiros com oxigenação suficiente para continuar vivos.

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente informou que ainda analisa o aparecimento dos peixes no local para ter mais informações sobre a migração e as espécies identificadas.

Peixes foram vistos nadando no rio Pinheiros, imagens foram gravadas por ciclistas
Peixes foram vistos nadando no rio Pinheiros, imagens foram gravadas por ciclistas - Reprodução

Segundo Malu Ribeiro, diretora da Fundação SOS Mata Atlântica, o mais provável é que os peixes tenham saído do córrego do Sapateiro, que começa na região da avenida Paulista e desemboca no rio Pinheiros, próximo à ponte Cidade Jardim, onde os vídeos foram gravados.

“É um sinal positivo de um trabalho de quase três décadas de recuperação dos rios, córregos e nascentes da cidade. É um começo e é importante para mostrar que não podemos parar o que está sendo feito”, diz Ribeiro.

A despoluição do rio se arrasta desde o começo dos anos 1990. A recuperação do Pinheiros é uma das principais apostas do governador João Doria (PSDB) como marca de sua gestão até 2022, com o anúncio de obras de mais de R$ 3,5 bilhões.

Doria, inclusive, compartilhou os vídeos nas redes sociais. “Peixes no rio Pinheiros? Sim! Estamos recuperando a vida no rio Pinheiros. Até dezembro de 2022, vamos entregá-lo despoluído aos cidadãos de São Paulo”, disse o governador.

Para os especialistas, a presença é resultado das ações contínuas feitas nos últimos 30 anos.

“Um processo de despoluição exige investimentos massivos e sem descontinuidade. A gente só está vendo essas imagens porque as ações estão ocorrendo há muitos anos”, diz Ribeiro.

Para Antonio Carlos Zuffo, professor do departamento de recursos hídricos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), com a diminuição do lançamento de esgoto no rio, as águas vão gradativamente melhorando de qualidade. Com isso, alguns trechos passam a apresentar condições que garantem a sobrevivência de alguns animais.

“A água que chega hoje ao rio Pinheiros é mais limpa e começa a diluir com a que está poluída. Gradativamente, começamos a ver a melhora.”

Em nota, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente disse que a conclusão do programa de despoluição do rio está prevista para o fim de 2022. Para isso, estão sendo feitas a expansão da coleta e tratamento de esgoto, desassoreamento e aprofundamento do rio, coleta e destinação dos resíduos sólidos e revitalização das margens.

“A expectativa é que o rio abrigue algumas espécies de peixes, tenha águas claras e limpas para que, sem o odor, a população possa ocupar suas margens e contar com uma nova opção de lazer”, diz.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.