Doria anuncia plano de despoluição do Pinheiros com investimento de R$ 1,5 bi

Meta é reduzir pela metade o índice que mede poluição do rio até 2022

Fabrício Lobel
São Paulo

Novo plano do governo João Doria (PSDB) prevê o loteamento de grande parte da região oeste e sul de São Paulo entre empresas que farão obras para despoluir o rio Pinheiros

A expectativa do governo é de ser investido R$ 1,5 bilhão no projeto que quer diminuir pela metade os atuais índices de poluição do rio Pinheiros até 2022 (desde de 1992, foram investidos cerca de R$ 2 bilhões na região). A Sabesp, empresa paulista de saneamento, quer ter todos os 14 contratos assinados até o final deste ano (em dois deles, já há vencedores).

A estatal deve ainda licitar a compra de pequenas estações de tratamento de esgoto para locais de ocupação irregular com difícil acesso. 

Essa é mais uma tentativa de limpar o Rio Pinheiros anunciado pelo governo estadual. As anteriores falharam, mas Doria quer fazer do projeto sua plataforma política.

O governador, que deixou a Prefeitura de São Paulo em abril de 2018 para concorrer ao comando do estado, almeja ser candidato à Presidência da República em 2022.

A promessa é fazer do entorno do Pinheiros um polo gastronômico, a exemplo do Porto Madero, em Buenos Aires. A usina de Traição, por exemplo, deverá perder o nome atual para ser rebatizada de Usina São Paulo. Hoje, a usina tem esse nome por causa do córrego da Traição, que por sua vez é uma referência histórica à emboscada que o bandeirante Borba Gato teria sofrido de seu filho. 

Segundo a Sabesp, para melhorar a qualidade da água do Pinheiros será preciso primeiro acelerar a conexão ao esgoto de bairros que ainda não tem esse serviço ao longo da bacia do rio Pinheiros (área abriga cerca de 3,3 milhões de paulistanos). 

Desde junho a Sabesp iniciou licitações de 14 contratos de empresas que deverão conectar o esgoto de imóveis que ainda não estão ligados a estações de tratamento. As áreas ainda não atendidas são desde favelas a condomínios de luxo.

A Sabesp estima que ao longo da bacia do Pinheiros, 500 mil imóveis ainda despejem seus dejetos em córregos que alimentam o Pinheiros. Em 85% desses imóveis, a Sabesp já consegue coletar o esgoto, mas não tem estrutura para levá-lo a uma estação de tratamento. Os outros 15% a empresa sequer consegue alcançar para coletar o esgoto. São Paulo hoje ainda não trata 30% de seu esgoto gerado e deixa de coletar 13%.

Para cumprir essa lacuna no saneamento da região do Pinheiros, a Sabesp fará o loteamento da bacia do rio. As empresas deverão ser remuneradas pela performance. Ou seja, a tática é não mais pagar apenas pela realização de obras mas sim conforme metas de despoluição sejam atingidas.

Esse é um dispositivo de contrato que a Sabesp já vinha testando, mas ainda não o havia aplicado para melhorar o tratamento de esgoto na cidade.

“O empreendedor vai ser o maior interessado em atender a meta. Ele vai querer fazer mais rápido do que nós estimamos, pois receberá até um bônus”, diz Benedito Braga, presidente da Sabesp. 

Só a bacia do córrego do Pirajussara, que é o maior afluente do Pinheiros, deverá ser dividida em quatro contratos. 

A segunda arma da Sabesp para limpar o Pinheiros é futuramente licitar pequenas estações de tratamento de esgoto destinada para áreas de ocupação irregular, onde é difícil fazer alguma obra de saneamento.

A ideia é fazer com que todo o esgoto de uma região de difícil acesso seja encaminhado para essas estações de tratamento modulares, em vez de cair no córrego local. A medida já foi testada pela empresa, por exemplo, na favela Palanque, na zona leste. Nesse caso, segundo a empresa, o módulo teve eficiência de 85%.

As duas estratégias visam diminuir drasticamente a carga de esgoto nos córregos que deságuam no Pinheiros.

Ainda que surta efeito, a poluição do Pinheiros é também influenciada pela presença de lixo levado pelos córregos. Nesse ponto, a Emae (empresa paulista de águas e energia) está testando barreiras para o lixo ao longo do Pinheiros e a coleta desse material com balsas. 

Mas ainda que o governo paulista consiga evitar a entrada de esgoto e lixo no Pinheiros, resta uma preocupação: a eutrofização (ou seja, a proliferação de algas que forram a superfície do rio, o que derruba a taxa de oxigênio na água). Acontece que grande parte do volume do Pinheiros hoje é de esgoto. Sem essa carga, o rio perde força em seu fluxo, tendendo a ficar parado (o Pinheiros já tem uma vazão muito baixa). A água parada é um bom ambiente para a proliferação dessas algas que poderão aparecer com alguma poluição residual.

A Sabesp estuda como minimizar esse risco bombeando a água ao longo do próprio canal do Pinheiros ou gerando microbolhas que oxigenam o rio.

A despoluição do Pinheiros está dentro do Projeto Tietê, que desde 1992 investiu cerca de US$ 3 bilhões. Doria, porém, focou esforços para resultados mais imediatos no Pinheiros.

Segundo especialistas ouvidos pela Folha, é preciso desconstruir o termo despoluição, utilizado pelo governo. Deve-se, porém, esperar que os grandes rios da cidade estejam com índices mais toleráveis de poluentes.

Para o engenheiro e consultor Carlos Tucci, o objetivo estabelecido por Doria até 2022 é extremamente complexo. Mas ele vê com bons olhos que São Paulo tenha metas de despoluição de rios e que elas sejam parte do programa de governo. "Ninguém fala nisso em outras grandes cidades do país", comenta.

A Sabesp já disse que espera que o Pinheiros tenha 30 mg/l de O2, índice de DBO (demanda biológica de oxigênio, que é um termômetro de poluição de águas). Atualmente, o Pinheiros tem taxa de 60 mg/l a 75 mg/l, em dias mais secos.

Tucci pondera ainda sobre a qualidade da água. "A meta de 30 mg/l de oxigênio não traz uma água necessariamente boa. Mas dificilmente teríamos algo melhor do que isso em uma região metropolitana."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.