Siga a folha

Governo perde guerra nas redes e Congresso decide deixá-lo falando sozinho

Lideranças não reagiram à fala do presidente para que pessoas compareçam a atos do dia 15

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

A reação moderada de lideranças da Câmara dos Deputados e do Senado em relação à convocação de Jair Bolsonaro para as manifestações do dia 15 foi deliberada. Há uma convicção de que é preciso deixar o presidente falando sozinho —e não mais mergulhar em pautas determinadas por ele que desviam a atenção de problemas como o turbilhão econômico que varre o mundo.

O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia que celebra seus 400 dias de governo, no Palácio do Planalto, em Brasília - Adriano Machado - 5.fev.2020/Reuters

EM LINHA

A análise política coincide com as de especialistas em monitoramento de redes sociais: a pauta econômica desgasta Bolsonaro e mudar de assunto o favorece. A consultoria Arquimedes coletou 208 mil manifestações de 2 a 6 de março sobre o PIB: 81,16% eram desfavoráveis ao governo.

RADICAL

Um estudo da AP Exata distribuído a bancos e empresas e que circulou entre autoridades na segunda (9) dizia que “o governo vem perdendo a guerra da dominância narrativa nas redes. Seus apoiadores fazem muito barulho, mas só têm influenciado uma bolha cada vez mais radicalizada”.

MITO

Se antes a capilarização abrangia outras bolhas, como a anti-PT, anti-corrupção ou a moralista, ela agora está “focada apenas no público que o idolatra”, diz Sergio Denicole, da AP Exata.

TROPA 

A militância nas redes “já não consegue ultrapassar essa barreira, mesmo com a atuação de perfis de interferência que defendem o bolsonarismo nas redes”, como robôs, perfis fakes e adeptos. De acordo ainda com a análise distribuída pela AP Exata, isso explica o fato de Bolsonaro “ter convocado pessoalmente as pessoas às ruas”.

TROPA 2

Os analistas afirmam, no entanto, que os protestos do dia 15 podem ter volume, já que a bolha de apoiadores do presidente segue numerosa —apesar de mais restrita e radical.

ESPELHO

Os organizadores das manifestações de oposição marcadas para o dia 18 acreditam que o tamanho delas estará condicionado ao dos movimentos pró-Bolsonaro.


LEIA TODOS OS TEMAS ABORDADOS PELA COLUNA NA EDIÇÃO IMPRESSA DESTA TERÇA (10)

Cartas de crianças não foram entregues a Suzy, diz administrador de presídios

Lula não fala de candidatura com Haddad e PT de SP perde esperança

Skaf avisa MDB que está com um pé fora do partido


RENOVAÇÃO

O ex-presidente Michel Temer e os deputados Celso Russomanno e Emidio de Souza foram à festa de posse da nova diretoria da Associação dos Procuradores do Estado de SP (Apesp), realizada na sexta (6), na sede do órgão, na capital paulista. A Procuradora Geral do Estado, Lia Porto Corona, o presidente da TV Record, Luiz Cláudio Costa, e o presidente da Apesp, Fabrizio de Lima Pieroni, estiveram lá.

PARA RIR

O músico Paulo Miklos, a atriz Maisa Silva e o humorista Rafael Cortez estiveram presentes na estreia do espetáculo de stand-up “Alto — Biografia Não Autorizada”, do comediante Oscar Filho. O evento foi realizado no sábado (7), no Teatro Itália, em São Paulo.


CURTO-CIRCUITO

O diretor do Sesc SP, Danilo Santos de Miranda, recebe na terça (10) a medalha “Armando de Salles Oliveira”, na USP.

O Instituto Tomie Ohtake realiza a mesa de debate “Carreira de Artista”. Na terça (10), a partir das 19h30.

Fiesp e Ciesp divulgam na terça (10) pesquisa com perspectivas econômicas de empresários.

com BRUNO B. SORAGGI, BIANKA VIEIRA e VICTORIA AZEVEDO

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas