Siga a folha

Major Olímpio discute com bolsonaristas e grita 'ladrões de rachadinha'; veja vídeo

Senador do PSL foi chamado de traíra por apoiadores do presidente em Taubaté

Nossas colunas são exclusivas para assinantes. Continue lendo com acesso ilimitado. Aproveite!

3 meses por R$1,90

+ 3 de R$ 19,90 R$ 9,90

Tenha acesso ilimitado:

Assine

Cancele quando quiser

Já é assinante?

Faça login

O senador Major Olímpio (PSL-SP) envolveu-se em uma discussão com apoiadores do presidente Jair Bolsonaro em Taubaté (140 km de São Paulo) nesta segunda-feira (23).

Ele esteve na cidade para manifestar seu apoio a uma candidata à prefeita e diz ter sido surpreendido pela presença de pequeno grupo de bolsonaristas que o xingavam de "traidor".

Em vídeo, o senador grita "ladrão" e "ladrão de rachadinha" enquanto é chamado de "traíra" por um rapaz com uma camiseta que diz "direita taubaté", que aparece ao lado de uma mulher com roupa com os dizeres "Bolsonaro presidente" e de um homem com uma faixa "não vote em comunista", em referência à candidata Loreny, do Cidadania, apoiada por Olímpio.

O senador e o rapaz chegam a ficar frente a frente, um gritando "ladrão" e "traíra" para o outro.

Olímpio faz referência ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao falar em rachadinha. O filho do presidente foi denunciado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) sob acusação de ter arrecadado parte do salário dos servidores de seu gabinete quando era deputado estadual.

Ao Painel Olímpio diz que "o que restou de bolsonaristas hoje são radicais que tentam se impor pela intimidação. Comigo, não. Ladrão é ladrão. Ladrão de direita é igual ladrão de esquerda. Simplesmente ladrão".

"Em Taubaté, como em qualquer cidade, a claque contratada bolsonarista hoje cabe num Mini Cooper", diz o senador, afirmando que o grupo tinha apenas quatro pessoas.

Após ter coordenado a campanha de Jair Bolsonaro em São Paulo em 2018, Olímpio rompeu com Bolsonaro após ter dito que sofreu pressão do presidente para não assinar a CPI da Lava Toga. Ele disse à época que Bolsonaro tentava proteger seu filho, Flávio Bolsonaro, que trabalhava para desarticular a criação da comissão.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas