Siga a folha

Pelo 5º dia seguido, protestos fecham ruas na Polônia após Justiça proibir aborto

Liderada por mulheres, reação tem mirado Igreja Católica e governo conservador

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Varsóvia (Polônia) | AFP e Reuters

Milhares de pessoas bloquearam ruas e cruzamentos nesta segunda-feira (26) em diversas cidades na Polônia, no quinto dia seguido de atos contra decisão da Justiça que proibiu uma das únicas formas de aborto legal no país. A decisão do Tribunal Constitucional, anunciada na quinta-feira (22), fez a população sair às ruas contra a medida, o governo e a Igreja Católica.

Liderados por mulheres jovens, os manifestantes carregavam cartazes com mensagens como "o inferno das mulheres", "vocês têm as mãos manchadas de sangue", "chega", "não serei sua mártir" e "quero escolha, não terror". Catedrais foram alvo de manifestações —houve ainda enfrentamentos com grupos de extrema direita que tentavam impedir o acesso aos locais religiosos.

Mulher com sinalizador em protesto no centro de Varsóvia - Wojtek Radwanski/AFP

A decisão do tribunal, condenada por vários grupos de defesa dos direitos humanos na Europa, veta a interrupção da gravidez nos casos em que o feto apresenta anormalidades graves —motivo de 98% dos cerca de mil abortos legais realizados no país em 2019.

A Justiça entendeu que a prática é incompatível com a Constituição e limitou o direito ao procedimento a apenas dois casos: risco de morte para a mulher e gravidez resultante de um estupro ou incesto.

Grupos feministas estimam que as polonesas recorram a mais de 200 mil intervenções ilegais todos os anos —número muito superior ao dado oficial. Os atos também criticaram o partido Lei e Justiça (PiS), que chegou ao poder há cinco anos com base num discurso de defesa do valores tradicionais.

Desde então, a sigla implementou reformas para aumentar o controle sobre o Judiciário, que lhe valeram uma investigação por parte da União Europeia, ainda em curso, e o rebaixamento do país em rankings de liberdades democráticas.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas