1969: Atriz e sexy symbol, Sharon Tate é brutalmente assassinada no oitavo mês de gravidez nos EUA

Roman Polanski e sua esposa, a atriz Sharon Tate.
São Paulo

Hollywood registrou uma tragédia neste sábado (9). A atriz Sharon Tate, 26, casada com o diretor de cinema Roman Polanski, de quem estava grávida de oito meses, foi brutalmente assassinada na mansão na rua Cielo Drive, em Beverly Hills (Califórnia, EUA).

Além da atriz, foram mortos também o cabeleireiro de celebridades Jay Sebring, o roteirista Voytek Frykowski, a socialite Abigail Folger, que estavam com Tate, e um zelador do local. Polanski estava em Londres a trabalho.

A jovem atriz foi morta com 16 facadas, e seus amigos levaram outras tantas —foram 102 no total—, sem contar tiros e outras agressões.

Talentosa e sexy symbol, a americana tinha estrelado sete filmes e atuado em séries na TV. E tinha se unido a Polanski em 20 de janeiro de 1968.

A mando de Charles Manson, os assassinatos foram cometidos por Tex Watson, Patrícia Krenwinkel, Suan Atkins e Linda Kasabian.

Eles integram uma estranha seita chamada “Família Manson”, movida a muito sexo e drogas, cujos seguidores moravam juntos em um rancho na Califórnia. Manson exercia forte influência sobre os participantes, que acreditavam que ele era o próprio Deus, por isso seguiam suas ordens.

Manson havia criado uma estranha ligação com a música “Helter Skelter”, lançada pelos Beatles no “Álbum Branco”. Racista, ele fantasiava uma guerra entre brancos e negros, mas, como ela demorava a acontecer, ele resolveu provocá-la. 

Por isso enviou simpatizantes até a mansão para que eles acabassem com todos que estavam lá. Ele planejava que o crime fosse atribuído aos grupos negros e que isso pudesse despertar a ira dos brancos, iniciando assim a sua “guerra”. 

O resultado foi a cena típica de filme de terror na mansão.

Charles Manson, que arquitetou o crime, em 1989. - Reuters


A “Família Manson”, com uma nova integrante, Leslie van Houten, ainda fez mais duas vítimas (escolhidas de forma aleatória) na noite seguinte: o dono de supermercado Leno LaBianca e sua mulher, Rosemary. Outras 67 facadas desferidas pela seita, que nos dois casos utilizou sangue para pichar as paredes com as palavras “porcos” e “morte aos porcos”.

Manson e a “família” foram presos em outubro de 1969, no rancho Barker, numa investigação sobre roubo de carros.

O guru só foi ligado ao crime de Sharon Tate quando Suan Atkins revelou, em audiência em novembro de 1969, que matou Tate a mando de Manson para “chocar o mundo”.

O julgamento da trupe criminosa durou sete meses —no começo dele, Manson inscreveu em sua testa um X, que, depois, virou uma suástica.

Em 1971, os envolvidos foram declarados culpados pela Justiça americana e sentenciados à morte, porém a pena foi transformada em perpétua em 1972, já que a Califórnia aboliu esse tipo de sentença.
Charles Manson, condenado pelo assassinato de sete pessoas, ficou preso por 48 anos, até o dia de sua morte, em 19 de novembro de 2017. 

Na prisão, somou mais de cem violações graves e chamou a atenção em 2014 quando, após decidir se casar com Elaine Burton, chamada de Star, desistiu ao descobrir que a fã pretendia expor seu corpo após a morte. Ele morreu de causas naturais, aos 83 anos.

Cinco fatos da vida de Charles Manson

1 - Ele não matou ninguém
Charles Manson cumpriu prisão perpétua, mas a Justiça americana não identificou vítimas mortas pelas mãos dele. Ele foi sentenciado por premeditar e ordenar assassinatos
 
2- Música gravada
Para Manson, haveria uma guerra entre brancos e negros, a qual chamava de “Helter Skelter”, música dos Beatles. Ele ficou amigo de Dennis Wilson, do The Beach Boys, que gravou “Never Learn Not to Love”, de Manson. Wilson não deu créditos pela canção, e eles romperam.
 
3- Vítimas trocadas
Um alvo de Manson era o produtor Terry Melcher. Ele se interessou pela obra de Manson, mas desistiu ao ver com quem lidava. Melcher morava na mansão antes de alugá-la para Roman Polanski e Sharon Tate
 
4- Trocado por cerveja
Na infância, Manson foi trocado pela mãe, Kathleen Maddox, por um copo de cerveja. Ele foi dado a uma garçonete, que, a princípio, não acreditou que Kathleen trocaria o filho por cerveja. O trato, depois, foi desfeito
 
5- Congelado
Após a morte, o corpo de Charles Manson ficou quatro meses congelado à espera de a Justiça decidir quem tinha direito sobre ele. A sentença foi favorável ao neto, Jason Freeman, que cremou o corpo em 17 de março de 2018

Primeira página da Folha de S.Paulo de 10 de agosto de 1969
Primeira página da Folha de S.Paulo de 10 de agosto de 1969 - Folhapress


 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.