Descrição de chapéu Maratona

'Cosmos' retorna à TV para aproximar público e ciência

Série criada pelo astrofísico Carl Sagan (1934-1996) nos anos 1980 fala sobre o futuro dos seres humanos em nova temporada

São Paulo

A nova temporada da série de TV "Cosmos", que teve estreia no sábado (6) no canal National Geographic, é uma oportunidade para o público se aproximar da história do conhecimento e dos conceitos científicos —algo necessário em um momento no qual a pandemia do novo coronavírus aumenta a dependência da ciência na busca por soluções.

Em “Cosmos - Mundos Possíveis”, o astrofísico norte-americano Neil deGrasse Tyson, apresentador da atração, conta como os seres humanos se tornaram a espécie terrestre capaz de explorar o espaço fora do planeta.

Para isso, o cientista parte das bases que tornaram a ciência moderna um empreendimento possível, contando a história das primeiras pessoas que ousaram pensar diferente e partiram para a investigação dos fenômenos da natureza.

A série que vemos agora foi idealizada pelo astrofísico norte-americano Carl Sagan (1934-1996), de quem Tyson é um tipo de discípulo. Em 1980, Sagan apresentou a primeira versão do programa, “Cosmos - Uma Viagem Pessoal”.

A paixão com que Sagan falava e explicava a ciência tornou o programa um sucesso atemporal e motivou jovens a seguirem uma carreira científica —Tyson entre eles.

Em 2014, o programa retornou à TV com o nome “Cosmos - Uma Odisseia no Espaço-Tempo”, sob comando de Tyson. Essa foi uma versão atualizada do que Sagan apresentou nos anos 1980, com novos efeitos especiais e aprimoração técnica, mas o programa repassou os principais pontos abordados na edição de 1980.

Com a nova leva de episódios, “Cosmos” parece engatar no que pode virar uma série com temporadas que se complementam, sem perder o DNA injetado por Sagan. Isso acontece em parte porque a atração tem roteiro escrito por Ann Druyan, viúva de Sagan que trabalhou com o companheiro na primeira versão da série e no filme de ficção “Contato” (1997), baseado em um livro do astrofísico.

O catálogo de personagens da história da ciência se amplia, com personalidades diferentes que ganham mais destaque em “Mundos Possíveis”. É o caso de Christiaan Huygens, cientista holandês que usou seus estudos sobre a luz para aperfeiçoar os telescópios e melhorar seu uso para a observação de corpos celestes.

Huygens agora recebe mais tempo e tem sua vida e obra expostas de maneira didática no programa, como acontece com outros cientistas ao longo da temporada.

O visual refinado da série lembra ainda mais uma obra ficção científica do que as edições anteriores. E não poderia ser diferente em um programa que pretende mostrar as possibilidades para o futuro.

Mas a ambientação não acontece só com os efeitos especiais. A trilha sonora tem música tema composta por Alan Silvestri, criador das trilhas sonoras dos filmes da trilogia “De Volta para O Futuro” (1985-1990) e “Vingadores” (2012).

Durante a temporada, que conta com 13 episódios, Tyson guia o espectador por temas como o futuro das viagens espaciais tripuladas e a busca por vida extraterrestre.

Há um equilíbrio entre visões otimistas e pessimistas nas falas de Tyson, alinhados com a realidade que a ciência mostra. Mas na nova temporada o apresentador acrescenta um peso maior aos efeitos do antropoceno, a era geológica mais recente, marcada pela ação dos seres humanos para moldar a paisagem e o destino do planeta, e que pode ter sérias consequências sobre a vida na terra.

A série tem um episódio dedicado ao assunto, mas já no início da temporada, Tyson lembra que o risco de uma extinção em massa causada pelos humanos é alto. "O que acontece conosco como espécie que onde vamos levamos a morte?", questiona o apresentador.

Com exibição no canal National Geographic aos sábados, às 22h30, a série tem reprises aos domingos, às 21h.

Cosmos - Mundos Possíveis

  • Quando Sáb, às 22h30; dom., às 21h
  • Onde National Geographic
  • Elenco Neil deGrasse Tyson
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.