Descrição de chapéu USP enem

Mulher assume direção da Poli-USP pela primeira vez em 124 anos

Liedi Bernucci, 59, chefiará uma das maiores escolas de engenharia do país

Liedi Bernucci, 59, que assumiu a direção da Poli-USP
Liedi Bernucci, 59, que assumiu a direção da Poli-USP - Karime Xavier / Folhapress
Marina Estarque
São Paulo

Ao chegar à sala de aula da Escola Politécnica da USP, em 1977, a estudante Liedi Bernucci, então com 19 anos, ouviu de um professor: “Mulher não deveria entrar na engenharia, porque o que elas querem é casar e acabam roubando a vaga de um homem”.

É verdade que Liedi se casou, tempos depois, e também “roubou a vaga” de um homem, por assim dizer: tornou-se a primeira mulher a assumir a diretoria da Poli, uma das principais escolas de engenharia do país, após 124 anos de chefia masculina.

O episódio em sala de aula poderia ter feito a estudante desistir, mas Liedi seguiu o conselho da mãe: “A melhor resposta é seguir em frente”.

Com 59 anos, ela foi eleita nesta quarta-feira (7) para o cargo máximo administrativo da Poli, uma instituição com 452 docentes e mais de 8.000 estudantes.

Apesar das “ofensas costumeiras”, como ela descreve o machismo na universidade, Liedi não duvidava da sua capacidade. Era boa aluna, com notas altas, e isso bastava.

“Sou engenheira e objetiva, acredito nos números. Eles falam. Se na comparação eu estava melhor, não tinha como falar que eu era burra.”

Os números, que ela sabe de cabeça, pontuam as suas falas. Em 1977, quando entrou na Poli, menos de 5% dos alunos da graduação eram mulheres. Hoje elas correspondem a 20%. “Sei que parece pouco, mas não é. Passou de 5% para 20%. Tenho muito orgulho desse número”, afirma.

Qual seria o percentual ideal? Liedi não sabe. “As pessoas me perguntam se deveria ser metade mulher ou mais. Eu não tenho a resposta. O importante é que as pessoas façam o que têm vontade. O dia em que elas tiverem liberdade para escolher a carreira e exercer seu talento, a gente chegou no equilíbrio”, diz.

PIADINHAS

Os cabelos com reflexos loiros, as longas unhas cor de vinho, os olhos contornados de preto e o batom rosa também desafiam um antigo preconceito: o de que engenheira é descuidada com a aparência.

“Eu ouvi uma piada idiota a vida inteira: ‘Deus perguntou para a mulher quando ela nasceu: Você quer ser bonita ou engenheira?’ Como se todas nós fossemos feias. Toda mulher engenheira já ouviu isso na vida”, conta.

Liedi lembra de uma vez em que chegou cinco minutos atrasada para uma prova na Poli e foi barrada pelo professor. Pouco tempo depois, outros dois estudantes, homens, passaram por ela na porta e puderam realizar o exame. 

Mas Liedi aprendeu com a família a “não se calar diante do preconceito”. Assim, foi até a sala ao lado, onde outro professor aplicava a mesma prova, e explicou a situação.

“Ele me pediu desculpas e me deixou entrar. São essas pessoas que resgatam a sua crença na humanidade”, diz.

Liedi nasceu em casa, na zona rural de Jarinu (interior de SP), e estudou sempre em escolas públicas. Grandes obras, como estradas, barragens e edifícios, fascinavam a menina. Filha de um padeiro e de uma dona de casa, Liedi costumava brincar com “carrinho e posto de gasolina”. Não ligava para bonecas. 

Liedi Bernucci, 59, que assumiu a direção da Poli-USP
Liedi Bernucci, 59, que assumiu a direção da Poli-USP - Karime Xavier / Folhapress

A engenheira diz que não gostava muito da escola na infância —ela aprendeu a estudar com a irmã, que fez matemática na USP, no vestibular.

“Meu pai não tinha condições de pagar uma faculdade privada, então, se eu quisesse fazer engenharia, tinha duas opções: ou entrava na Poli ou entrava na Poli”, conta.

Aprovada, Liedi ingressou na Poli e nunca mais saiu. Durante o mestrado, concluído em 1987, desenvolveu parte da sua pesquisa em uma universidade na Suíça. Lá conheceu seu marido, um físico suíço-alemão, e teve o primeiro dos seus dois filhos. 

Ao retornar ao Brasil, tornou-se professora da Poli, em 1986. Fez o doutorado, com uma temporada na Suíça, e se instalou definitivamente no Brasil com a família.

“A vida era conturbada, com dois filhos pequenos, mais trabalho e estudo. Era raro mulher com filho pequeno trabalhar naquela época. Mas, olhando para trás, isso me fortaleceu. Eu tinha que organizar o meu tempo, me dividir em mil tarefas, e achar que ia dar certo. Me fez ser otimista.”

Liedi se especializou em pavimentação e construção de estradas, aeroportos e ferrovias. Além da atuação acadêmica, trabalha como consultora em projetos.

Em 1986, foi a primeira professora na engenharia de transportes, entre 27 homens. Em 2004, ela se tornou chefe do departamento e, em 2014, a primeira mulher a ocupar a vice-diretoria.

Ainda hoje, mulheres são minoria na instituição. Dentre os professores titulares, apenas 11% são mulheres.

O machismo na escola, segundo Liedi, diminuiu, mas ainda existe. Hoje, piadas como as que ela ouvia não são bem vistas. Para ela, portanto, o politicamente correto foi um grande avanço.

“Tem gente que acha chato. É chato para quem sempre comandou e podia falar o que queria, enquanto os outros engoliam. Para quem sofre preconceito, politicamente correto é muito bom. É ótimo que a pessoa precise pensar duas vezes antes de falar.”

Nesse ponto, ela afirma que a academia é mais machista do que o mercado. “Ainda tem gente que acha que homem é mais competente e que certas especialidades da engenharia não são para mulher”, afirma.

A diferença de antes para a época atual, segundo ela, é que as alunas de hoje denunciam o preconceito e os abusos. “Quando eu era estudante, não tinha para quem reclamar. Eram todos homens. A mulher se calava, engolia em seco. E, se reagisse, era chamada de histérica, o que é pesadíssimo”, conta.

Por isso, ter uma mulher na diretoria, segundo Liedi, tem um simbolismo importante. “Mostra que há espaço para nós na instituição, que é conservadora e tradicional”, diz. 

Para as alunas, afirma Liedi, significa também que elas possuem uma interlocutora em uma posição de poder. “As estudantes não precisam mais levar desaforo para casa, como eu fazia. Elas têm para quem falar.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.