Bem-sucedido, acordo ortográfico completa 10 anos e espera por ajustes

Relembre as principais mudanças que entraram em vigor em janeiro de 2009

Naief Haddad
São Paulo

É uma história de encontros e desencontros que tem Brasil e Portugal como protagonistas. 

O país europeu e as nações lusófonas da África seguiam o acordo ortográfico de 1945. Por aqui, porém, valia o sistema estabelecido em 1943.

Não existiam diferenças muito expressivas entre uma e outra ortografia, mas as distinções emperravam a difusão internacional do idioma, entre outros obstáculos. 

As discussões para a unificação começaram efetivamente em meados dos anos 1960, mas só resultaram em consenso depois de mais de duas décadas. Em 1990, os países lusófonos se reuniram em Lisboa para, enfim, aprovar o novo acordo ortográfico

Na fase de implantação, contudo, surgiram entraves. O início da unificação estava previsto para 1994, mas diversões razões —de ordem política, econômica e burocrática—​ inviabilizaram a iniciativa.

Em 1º de janeiro de 2009, há uma década, o Brasil começou a adotar o novo sistema. Foi o primeiro entre os nove países que têm o português como língua oficial a botar em prática o acordo assinado em 1990. 

Ao longo de 2009 e 2010, Portugal e Cabo Verde também iniciaram a implantação. 

Entre 2015 e 2016, esses três países encerraram a transição, tornando obrigatórias as novas regras. Os demais signatários avançam mais lentamente rumo à unificação. 

As mudanças incluíam o fim do trema e do acento nos ditongos abertos "ei" e "oi" nas paroxítonas. 

O acordo afetou 0,8% das palavras em uso no Brasil e 1,6% dos vocábulos em Portugal, o que ajuda a explicar a maior resistência dos portugueses às novas regras

"Essa é uma página virada. Todas as editoras no Brasil passaram a usar [o novo acordo], o sistema educacional e a imprensa também", afirma Carlos Alberto Faraco, professor titular aposentado de língua portuguesa da Universidade Federal do Paraná. 

Segundo ele, a unificação contribui para impulsionar "a promoção internacional da língua portuguesa". 

Integrante da comissão de especialistas que assessorou o governo federal na viabilização do acordo, Faraco não vê motivo para qualquer alteração das normas aprovadas

Autor da "Gramática Houaiss da Língua Portuguesa", José Carlos de Azeredo também considera bem-sucedida a implantação do novo sistema. Porém, diferentemente de Faraco, Azeredo acredita que ajustes são necessários, especialmente no uso do hífen. 

Ele cita uma das regras sobre palavras com prefixo. Quando o segundo elemento começa com "r" ou "s", a consoante deve ser duplicada, caso de "antissemita". 

Azeredo questiona as situações em que esse segundo elemento é um nome próprio, particularidade não contemplada pela unificação. 

Anti-Salazar ou antissalazar? A primeira opção parece mais apropriada por manter o "S" maiúsculo, mas não é indicada como exceção às recomendações do acordo.

Embora defenda ajustes, Azeredo admite que outro acordo exigiria "um processo extremamente complexo". Após décadas de negociações para o consenso de 1990, é improvável que a lusofonia decida reabrir as discussões

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA

Dedicada à reconstrução dos ambientes internos, que inclui a instalação de um novo elevador (serão cinco ao todo), essa etapa deve ser concluída em outubro deste ano. Em seguida, começam os trabalhos de museografia, que darão as feições finais à nova versão do museu.

De acordo com Larissa Graça, gerente de projetos de arquitetura da instituição, o museu deve reabrir no final deste ano ou no início de 2020. 

Patrimônio histórico na região central de São Paulo, o complexo da estação da Luz —que engloba a estação homônima de transporte e o museu— ​​foi parcialmente consumido por um incêndio no dia 21 de dezembro de 2015.

A reforma foi dividida em três fases. A primeira concentrou-se na restauração de fachadas e esquadrias. A segunda etapa foi destinada à reconstrução do teto. 

O projeto de arquitetura da reforma está a cargo de Pedro Mendes da Rocha, responsável pela concepção original do museu, junto com seu pai, Paulo Mendes da Rocha.

De acordo com Larissa, a museografia manterá salas que faziam sucesso entre os visitantes, como a Praça da Língua, com uma série de projeções. Mas o local vai ganhar novas instalações, como um espaço para a coleta de falares, que reunirá áudios gravados pela equipe do museu nos demais países lusófonos, como Angola, Moçambique e Cabo Verde.

As obras estão orçadas em R$ 65 milhões, dos quais R$ 34 milhões vieram do seguro. O restante do dinheiro vem de agentes da iniciativa privada, como o Grupo Globo, o Itaú e a EDP, empresa portuguesa do setor de energia.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.