Descrição de chapéu Chuvas

Chuva alaga SP e danifica hangar do aeroporto Campo de Marte

Com janeiro de altas temperaturas, temporais têm causado transtornos na capital paulista

São Paulo

A forte chuva e as rajadas de vento que atingiram São Paulo na tarde desta quarta-feira (30) destruíram parte do teto de um hangar no aeroporto Campo de Marte, destinado a voos particulares. O temporal também derrubou a parede do janelão de vidro do Teatro Oficina, causou alagamentos e queda de árvores.

O hangar da empresa Marte Updates ficou destelhado. Pedaços do teto atingiram aviões de pequeno porte estacionados dentro do edifício, mas, segundo a Infraero, não houve feridos. Bombeiros trabalham para conter possível vazamento de combustível, além de monitorar novos riscos de desabamento.

Às 16h37, o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas), órgão da Prefeitura de São Paulo, registrou rajadas de vento de 68,5 km/h na região do aeroporto, na zona norte.

Chuva derrubou portões de hangar no aeroporto Campo de Marte - GloboNews/Reprodução

No Teatro Oficina, que fica no bairro do Bexiga (região central), a árvore que está localizada no interior do teatro balançou com os ventos e acabou rompendo a parede —o solo próximo a ela chegou a rachar. 

Tapumes provisórios serão colocados para tampar o buraco. O incidente não vai afetar a temporada da peça "Roda Viva", que está em cartaz no espaço.

A chuva teve maior intensidade na zona norte, zona leste, zona oeste e centro, que ficaram em estado de atenção para alagamentos. Foram no total 15 pontos de enchentes, além de nove desmoronamentos. Há ainda iminência de transbordamento do Córrego Paciência (zona norte).

Segundo o Corpo de Bombeiros, 244 árvores caíram em diferentes pontos da cidade. No Horto Florestal (zona norte) e no Anhangabaú (centro) houve queda de granizo. 

Embora o temporal desta tarde tenha vindo acompanhado de fortes rajadas de vento, não procedem os rumores de que teria ocorrido uma espécie de furacão, segundo o Climatempo. ​A chuva deve perdurar de forma isolada até a noite, mas não deve se estender pela madrugada.

Comum no verão, o temporal é resultado da alta temperatura na cidade, que chegou a 35°C nesta quarta.

Na capital paulista, até esta terça (29), o mês de janeiro contava com 87% da média de chuva do mês, de 288,2 mm. 

Se ainda não há como afirmar que janeiro foi particularmente chuvoso, certamente foi um mês quente. A expectativa é que janeiro de 2019 esteja entre os cinco janeiros mais quentes desde o início da série histórica do Instituto de Meteorologia, em 1943.

O cenário não muda nos próximos dias, com temperatura máxima superando os 32ºC e chuvas mal distribuídas.

A quinta-feira (31) será ensolarada e com muito calor. Entre o meio e o fim da tarde, a entrada da brisa marítima estimula a formação de nuvens que provocam chuva rápida e isolada. A mínima é de 21°C e a máxima de 35°C.

Na sexta (1º), o sol predomina com temperatura entre 21°C e 34°C. No final da tarde e no início da noite há potencial para chuvas em forma de pancadas isoladas com trovoadas e rajadas de vento.

Como amenizar efeitos dos alagamentos:

- Evite transitar em ruas alagadas;

- Se a chuva causou inundações, não se aventure a enfrentar correntezas.

- Fique em lugar seguro. Se precisar, peça ajuda;

- Mantenha-se longe da rede elétrica e não pare debaixo de árvores. Abrigue-se em casas e prédios;

- Planeje suas viagens, para que haja menor possibilidade de enfrentar engarrafamentos causados por ruas bloqueadas;

- Em caso de dúvida sobre vias bloqueadas, ligue para a central de atendimento da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) através do número 1188 ou entre no site da CET para saber como está o trânsito nas principais vias.

Colaborou UOL

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.