Descrição de chapéu Dias Melhores

Fábrica adapta carrinho para 'menino raro'

Lucas, 4, sofre de uma síndrome rara que provoca alterações ósseas e não poderia acelerar usando os pés

Jairo Marques
São Paulo

A primeira resposta que Viviane Santos Roque, 36, mãe de Lucas, 4, recebeu do Serviço de Atendimento ao Cliente da empresa foi um soco no estômago: “No momento, não fabricamos/comercializamos brinquedos para crianças especiais”.

Mas ela não desistiu. Insistiu, negociou e explicou a demanda de seu pequeno: um carrinho motorizado e adaptado para suas necessidades.

Há quatro semanas, ele recebeu em casa seu Mini Cooper vermelho, que pode ser acelerado apertando um botão adicionado ao volante. O artifício foi inserido no brinquedo especialmente para o menino.

Lucas nasceu com uma síndrome rara, a fêmur-facial, que provoca alterações ósseas em diversas partes do corpo e compromete movimentos.

Ele nasceu com fenda palatina (abertura no lábio), micrognatia (mandíbula inferior pequena), pulmão subdesenvolvido, fêmur encurtado bilateral e má-formação do quadril, joelho e pés. Um de seus braços tem o cotovelo fundido, o que não permite a movimentação.

Apesar da pouca idade, já passou por dez cirurgias e atualmente está em trabalho para desenvolver suas habilidades motoras. Dirigir o carrinho, além de lúdico, contribui para o desenvolvimento da sua autonomia.

“Meditei muito sobre aquela resposta [da fábrica]. Talvez, antes de ter meu filho eu respondesse a mesma coisa, pois não teria a sensibilidade que tenho hoje. Precisamos ser flexíveis, as pessoas não sabem o que passamos, as nossas dores. É difícil exigir isso delas”, diz Viviane, que é gerente administrativa de uma empresa.

A própria Brinquedos Bandeirante, que produz o carrinho desejado por Lucas, reconheceu a falha de comunicação no primeiro contato com a mãe e pediu desculpas. 

A principal função do carrinho de Lucas —que foi pago a preço de custo, cerca de R$ 1.000, sem adicionais pela adaptação — tem sido passear pelo condomínio onde mora, na zona leste de São Paulo, e em parques da cidade. 

“Fizemos todos os testes e meu filho ficou extremamente feliz. Nem sempre o mercado vai atender todas as diferenças e necessidades, mas é nosso papel tentar”, diz Viviane. 

A fabricante Brinquedos Bandeirante disse que “desenvolve adaptações em brinquedos, atendendo a crianças com necessidades especiais há mais de 60 anos.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.