Promotores apreendem drogas dentro de distrito policial em São Paulo

Quatro policiais civis foram presos sob a suspeita de crimes como tráfico e corrupção

Rogério Pagnan
São Paulo

​Operação realizada na manhã desta sexta-feira (15) por equipe do Ministério Público de São Paulo apreendeu drogas –entre elas cocaína, comprimidos de ecstasy e anabolizantes– dentro de um distrito policial na zona norte da capital paulista.

Quatro policiais civis e um ex-policial –que não tiveram os nomes divulgados– foram presos nessa operação, liderada pelo Gecep (Grupo Especial de Controle Externo da Atividade Policial) com apoio da Corregedoria da Polícia Civil e da GCM (Guarda Civil Municipal), que emprestou cães farejadores.

Além do tráfico de drogas, os policiais são suspeitos de crimes de concussão, prevaricação, lavagem de dinheiro e improbidade administrativa. As prisões são temporárias e duram entre 5 a 30 dias.

A investigação da Promotoria teve início em 2018 envolvendo policiais do 33º DP (Pirituba), e do 46º DP (Perus), ambos na zona norte, após uma denúncia recebida por grupo que investiga crime organizado.

 

A mais grave suspeita que pesa contra os policiais é que, com ajuda de um informante, eles descobriam pontos de venda de drogas, realizavam operações nesses locais, mas apenas com o objetivo de extorquir os traficantes.

Eles também cobrariam propina para liberá-los, e ainda ficavam com as drogas para vendê-las, ou, utilizá-las para colocar em cenas de crime para incriminar suspeitos.

Os policiais dos distritos não se conheciam, mas tinham em comum o mesmo informante, que continua foragido. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados.

Na operação realizada nesta sexta foram realizadas buscas e apreensões nos dois distritos policiais, além de outros nove endereços ligados aos investigadores e carcereiros (que trabalhavam como investigadores).

Além da droga, cerca de 300 gramas de cocaína, 574 comprimidos de ecstasy e várias caixas contendo anabolizantes, também foram apreendidos mais de R$ 30 mil e 3.000 euros.

A droga estava em uma sala do 33º DP, onde um dos suspeitos é chefe do setor de investigação. Os policiais alegaram desconhecer o material apreendido.

Como não foi apresentado pelos policiais nenhum documento que comprovasse a origem delas, se foram apreendidas em alguma operação policial, os promotores levaram o material como indícios de crime.

Na casa dos policiais, também foram apreendemos armas ilegais e simulacros.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública, da gestão João Doria (PSDB), não se manifestou se o delegado titular do 33º DP será investigado ou punido. 

A pasta limitou-se a dizer que a Corregedoria da Polícia Civil prestou apoio a equipe do Gecep durante cumprimento de mandados de prisão contra os agentes. "Um homem investigado segue foragido. Durante a ação uma pessoa foi presa em flagrante por tráfico de drogas", finalizada nota.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.