Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Em prêmio, Bolsonaro critica imprensa brasileira e ironiza protestos

Durante cerimônia em Dallas, presidente diz que mídia brasileira não é isenta

Gustavo Uribe
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro utilizou seu discurso de agradecimento nesta quinta-feira (16), durante cerimônia que o homenageou como "personalidade do ano", para fazer críticas à imprensa brasileira e aos partidos de esquerda e para ironizar as manifestações contra reduções orçamentárias na área da educação.

No evento organizado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Dallas, ele afirmou que sofre com a mídia brasileira, que segundo ele não é isenta, e disse que a esquerda no país se infiltrou em universidades e escolas de ensino médio e fundamental.

Presidente da República Jair Bolsonaro chega a Pecam Room em Dallas, no Texas, para entrega de prêmio - Marcos Corrêa/PR

"Até hoje sofremos com a mídia brasileira. Até venho sempre dizendo à mídia brasileira: 'Se vocês fossem isentos, já seria um grande sinalizador de que o Brasil poderia, sim, romper obstáculos e ocupar um lugar destaque no mundo'", disse.

Em tom irônico, ele disse que foram feitos protestos em capitais do país "como se a educação até o final do ano passado fosse uma maravilha no Brasil". Na quarta-feira (15), também em viagem aos Estados Unidos, Bolsonaro disse que manifestantes eram "idiotas úteis" e "massa de manobra".

"Ontem, vimos algumas capitais de estado com marchas pela educação, como se a educação até o final do ano passado fosse uma maravilha no Brasil. Temos um potencial humano fantástico, mas a esquerda brasileira entrou, infiltrou e tomou não só a imprensa brasileira mas também grande parte das universidades e as escolas do ensino médio e fundamental", afirmou.

 

No evento, no qual prestou continência à bandeira dos Estados Unidos, o presidente criticou seus antecessores no Palácio do Planalto, ressaltando que eles implementaram "políticas nefastas" e que tinham uma "ambição pessoal acima de tudo" que não permitia o crescimento do país.

"No Brasil, a política até há pouco era de antagonismo a países como Estados Unidos. Os senhores eram tratados como se fossem inimigos nossos. Agora, quem até há pouco ocupava o governo, teve em sua história suas mãos manchadas de sangue na luta armada", afirmou, em referência à ex-presidente Dilma Rousseff, que atuou em grupo de combate à ditadura militar.

Bolsonaro lamentou o fato de não ter recebido a homenagem em Nova York, mas disse que continuará respeitando os nova-iorquinos. O presidente desistiu de viajar à cidade por receio de protestos após receber críticas do prefeito Bill de Blasio.

"O Brasil de hoje é amigo dos Estados Unidos. O Brasil de hoje respeita os Estados Unidos e quer o povo americano ao nosso lado. E termino com meu chavão de sempre: 'Brasil e Estados Unidos acima de tudo'", concluiu.

No evento, foi transmitido um depoimento em vídeo do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que não compareceu à homenagem. Segundo ele, os governos de Brasil e Estados Unidos "têm um elo muito forte" e estão tentando eliminar obstáculos nas áreas econômica.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.