Famílias de jovens abusados em estação no Rio fecham acordo com empresa

Rapazes foram obrigados a fazer sexo oral; eles receberão indenização e atendimento da SuperVia

Ana Luiza Albuquerque
Rio de Janeiro

As famílias dos dois jovens que denunciaram terem sido abusados e humilhados por seguranças da SuperVia fecharam um acordo de compensação com a empresa nesta segunda-feira (22). A mediação foi feita pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro. 

O acordo prevê uma indenização, cujo valor está sob sigilo, apoio psicológico e pagamento de um curso profissionalizante para as vítimas, que deverão apresentar comprovantes de frequência a cada três meses.

O caso aconteceu no dia 7 de julho, na estação Maracanã. Os jovens, de 17 e 18 anos, disseram que foram humilhados e obrigados a praticar sexo oral um no outro, ameaçados com uma arma. Dois policiais militares a serviço da concessionária estariam envolvidos. As cenas foram gravadas e divulgadas na internet. 

"Levou a gente para trás da estação. Começou a bater na gente. Jogou spray de pimenta, bateu com a arma na nossa cara, chutou a cabeça", afirmaram à TV Globo. 

Supostos PMs obrigam jovens a fazer sexo oral em estação de trem no Rio
Supostos PMs obrigam jovens a fazer sexo oral em estação de trem no Rio - Reprodução/Redes sociais

A coordenadora cível da Defensoria, Cintia Guedes, disse que o valor da indenização foi definido com base em uma pesquisa do que normalmente se obtém por meio do Judiciário. Enquanto uma resolução na Justiça poderia levar anos, o acordo foi fechado em menos de duas semanas.

A mãe das duas vítimas afirmaram a jornalistas que estão satisfeitas com o acordo. Disseram, também, que seus filhos não têm mais vontade de sair de casa e que estão sendo alvo de provocações. Um deles é dependente químico.

"Vou recuperar meu filho, sim. Venho lutando tem uns cinco anos. Espero que [ele] ponha a cabeça no lugar e venha a melhorar depois do tratamento psicológico", disse uma das mães, que não quis se identificar.

Dois seguranças da concessionária e dois policiais militares estão presos após a Justiça do Rio expedir mandado de prisão temporária contra os supostos envolvidos. 

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Um processo administrativo disciplinar será aberto na PM para avaliar a conduta dos agentes. 

A Defensoria ainda avalia com as famílias se acionará o Estado em função da conduta dos policiais.
Os dois seguranças foram demitidos pela SuperVia, que apresentou à polícia as conclusões da sindicância interna.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.