Descrição de chapéu Obituário Anísio Campos (1933 - 2019)

Mortes: Designer de carros, projetou o primeiro buggy brasileiro

Anísio Campos foi piloto de corridas ao lado de lendas do automobilismo

Patrícia Pasquini
São Paulo

O fascínio do paulistano Anísio Campos por carros começou cedo. Desde criança, já os desenhava com perfeição.

Mais tarde, envolveu-se com o automobilismo. A companheira, a pintora Anna Maria Martins Ferreira, 66, conta que ele conheceu o Autódromo de Interlagos (zona sul) quando o chão era de terra batida.

Entre 1958 e 1972, foi piloto de corridas, ao lado de lendas como Wilson Fittipaldi, José Carlos Pace, Bird Clemente e outros.

 
O designer de carros, Anísio Campos (1933-2019)
O designer de carros, Anísio Campos (1933-2019) - Arquivo pessoal

Paralelamente ao mundo do automobilismo, começou a desenhar carros e criou modelos especiais para as ruas. Seus projetos fizeram história na indústria automotiva nacional.

No total, foram cerca de 15 projetos, entre eles o esportivo Carcará, o Puma DKW, a picape Topázio, o primeiro buggy brasileiro, Kadron Tropi, e o Dacon 828, que era o preferido do artista. 

Hoje, seu nome é considerado um dos mais importantes do design brasileiro, segundo Ferreira. “Ele era autodidata em desenho, arquitetura e pintura. Tinha mãos de ouro e uma sensibilidade enorme. Encontrava o perfeito no imperfeito”, diz. 

Assim como o mundo do automobilismo, Campos era alegre. Prezava a liberdade e gostava dos amigos e de uma boa conversa. Os momentos de introspecção ocorriam quando o trabalho pedia a sua atenção. “Se você quer inspiração, pratique observação” era o seu lema.

Em 2015, sua história foi contada no documentário “Homem-Carro”, dirigido e produzido pela filha, a cineasta Raquel Valadares.

Anísio Campos morreu em São Paulo, dia 14 de setembro, aos 86 anos, de parada cardíaca. Deixa a companheira, três filhos e quatro netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.