Após pressão, prefeitura de SP revoga bandeira 3 para táxis

Medida havia sido regulada na semana passada e foi tida como impopular

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo decidiu revogar a portaria que permitia que taxistas cobrassem a bandeira 3 em locais de eventos na cidade. 

A medida havia sido anunciada na última semana pela gestão Bruno Covas (PSDB). A ideia era criar um acréscimo opcional de 30% à tarifa da bandeira 2 em eventos previamente cadastrados pela administração pública.

Segundo a prefeitura, esse era um pleito antigo dos taxistas que temiam uma concorrência considerada predatória com as viagens por aplicativos. 

A mudança, porém, não encontrou apoio de toda a categoria dos taxistas, que consideraram que as corridas de táxi pudessem ficar pouco atrativas e perder ainda mais espaço para os ao aplicativos. 

"Não interessa à categoria criar uma nova bandeira tarifária com o valor de cobrança mais caro", diz Giovanni Romano, porta-voz do sindicato dos taxistas autônomos de São Paulo. Giovanni diz que o anúncio da bandeira 3 pegou a categoria de surpresa, embora a prefeitura diga que houve negociação com representantes dos taxistas. 

Segundo o sindicato, assim que souberam da criação da bandeira 3, uma assembleia de motoristas decidiu por unanimidade pedir a revogação da tarifa extra.  

Nesta segunda-feira (11), a prefeitura então revogou a possibilidade de cobrança da bandeira 3, mas insistiu que havia negociado a medida com os taxistas. 

De acordo com a pesquisa Origem e Destino do Metrô, de 2007 para 2017, houve aumento de 24% no número de viagens de táxis —segundo a companhia, impulsionadas por aplicativos dedicados também aos táxis.

Mas em 2017, para cada viagem feita de táxi na grande São Paulo, outras três eram feitas com carros por aplicativos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.