Número de gravidez registrada na adolescência de bairro pobre de SP é 53 vezes a de bairro rico

Cidade tem índices comparáveis aos dos países mais ricos e mais pobres do mundo, mostra Mapa da Desigualdade

São Paulo

A proporção de adolescentes grávidas em Marsilac, bairro pobre do extremo sul de São Paulo, é 53 vezes a de Moema, bairro rico da zona sul . Em Cachoeirinha, na zona norte, 32% das mães fizeram menos exames pré-natal do que o recomendado. Houve oito vezes mais episódios de violência contra a mulher na Sé, centro da cidade, do que na Vila Andrade, zona sul.

São Paulo concentra, em uma só cidade, índices comparáveis aos dos países mais ricos e aos dos países mais pobres do mundo, mostra o Mapa da Desigualdade, da Rede Nossa São Paulo, publicado nesta terça (5). O estudo compara indicadores dos 96 distritos e explicita os contrastes da metrópole paulistana.


É o caso da taxa de gravidez na adolescência. Enquanto em Marsilac, para cada 100 bebês que nasceram no ano passado, 19 tinham mães com menos de 19 anos, em Moema essa proporção cai para 0,4.
A região concentra ainda os piores indicadores de mortalidade infantil  (23 vezes a de Perdizes, bairro rico da zona oeste). “Existem várias cidades numa só”, resume Carolina Guimarães, coordenadora da Rede Nossa São Paulo.

Pouco antes de falar com a Folha, o conselheiro tutelar João Cedro, 46, atendia uma avó da região que não sabia o que fazer com a neta, de 14, no quinto mês de gestação.

“É muito comum aqui, sempre chegam casos para mim. Aí a adolescente fica grávida, precisa abandonar a escola, não arruma emprego e o ciclo continua”, diz ele. “E a gente fica de mãos atadas. Nesse caso específico, a avó disse que a orientou o tempo todo, mas a menina se envolveu com um rapaz maior de idade da escola e, quando viu, engravidou.”

Regiões periféricas também concentram as menores taxas de acompanhamento médico durante a gravidez. Em Cachoeirinha, 31,9% das mães fizeram menos do que sete consultas pré-natal, o mínimo recomendado. O número é similar em Itaim Paulista (28,9%), Itaquera (27,1%), São Miguel (26,6%) e São Rafael (26,6%). 

Altos índices de gravidez na adolescência —em geral acompanhados por índices maiores de abandono dos estudos pelas futuras mães— são um dos mecanismos de perpetuação da pobreza.

Já a alta mortalidade infantil pode ser consequência tanto da negligência do Estado, com menor oferta de serviços e equipamentos públicos em regiões mais pobres, como de falta de informação das próprias mães, que não fazem o acompanhamento devido.

O terceiro elemento que expõe a condição feminina na cidade é mais transversal: são os bairros centrais que concentram queixas de violência contra a mulher, como Sé, Barra Funda, Brás, Pari e República.

Outro dado que chama atenção é a idade média em que as pessoas morrem nesses distritos. Em Moema, esse número foi de 80,6 anos —a fins de comparação, a expectativa de vida da Alemanha e da Dinamarca é de 81 anos. Já na Cidade Tiradentes, no extremo leste da cidade, foi de 57,3 anos —pouco mais que um morador da Somália.

O cálculo da ONG não é o de expectativa de vida ao nascer, que considera uma série de fatores, como o índice de desenvolvimento humano. O que a Rede Nossa São Paulo faz é uma média entre as idades das pessoas que morreram em determinado ano —o que inclui, aí, mortalidade infantil, que é alta na Cidade Tiradentes.

O dado, portanto, não significa que as pessoas tenham em média 57 anos ao morrerem, e sim que há um número alto de pessoas que morre na juventude, embora o levantamento mais recente não compile esse dado.

Outro dado que chama atenção é a idade média com que as pessoas morrem nos distritos mais pobres. Se em Moema esse número foi de 80,6 anos —a fim de comparação, a expectativa de vida da Alemanha e da Dinamarca é de 81 anos—, em Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital, ficou em 57,3 anos —quase a mesma da Somália.

O cálculo da ONG não é o de expectativa de vida ao nascer, que considera fatores como o índice de desenvolvimento humano. O que a Rede Nossa São Paulo faz é a média das idades das pessoas que morreram em determinado ano —incluindo mortalidade infantil, alta na Cidade Tiradentes.

O número, portanto, não indica que as pessoas tenham em média 57 anos ao morrer, e sim que há no local muitas pessoas que morrem jovens, embora o levantamento mais recente não traga esse dado, e puxam a média para baixo.

A violência é outro fator importante para baixar o tempo médio de vida no distrito da zona leste. O impacto é cíclico, já que a criminalidade é considerada agente de atraso do desenvolvimento econômico —estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) estima que as perdas do país com a violência custam o equivalente a 6% do PIB.

“Isso mostra as complexidades de se viver em um lugar onde há uma desigualdade tão grande”, diz Guimarães, da Rede Nossa São Paulo.

Morador da Cidade Tiradentes, Ângelo Guilherme brinca que “graças a Deus” sobreviveu à juventude no bairro. 

“A gente depende muito do governo aqui, que aparece pouco. Mas, no ano que vem, na eleição, vai ter político aqui das 7h à 22h pedindo voto. Enquanto isso a gente tem que fazer o que dá. A gente é incansável, não para”, diz ele, que montou uma associação cultural, a Elite, para dar aulas de futebol, balé, cursos profissionalizantes e atua na luta por moradia. “Esse projeto já tirou muita gente da rua aqui”, diz.

A lógica periferia versus centro, no entanto, destoa em alguns temas, diz Carolina Guimarães. “É interessante pensar que os ricos, que pagam mais para viver, respiram ar mais impuro e estão mais sujeitos a acidentes de trânsito.”

Segundo os dados do mapa, distritos centrais, como Sé, República e Bela Vista, e áreas ricas, como Pinheiros, Moema, Itaim Bibi e Jardim Paulista concentram até 1.200 vezes mais poluição atmosférica do que bairros afastados e mais pobres, como Marsilac, Parelheiros, Grajaú e Perus —o principal fator para a discrepância é o tráfego bem menor de carros nessas regiões

Pelo mesmo motivo, distritos como Barra Funda, Sé e Bom Retiro, além de áreas ricas como Morumbi, Pinheiros e Itaim Bibi, registram até 13 vezes mais acidentes de trânsito que Jardim Ângela, São Rafael e Cidade Tiradentes.

“Quando se fala de legislação em São Paulo é incrível: Plano Municipal pela Primeira Infância, plano de segurança viária, de mudanças climáticas. Quando se vê, os planos e direitos não estão sendo territorializados. Isso mostra como a cidade ainda tem muito a desenvolver”, diz Guimarães.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.