Ex-namorado suspeito de matar universitária é preso na Bahia

Filho de juiz aposentado se entregou à polícia; vítima já tinha medida protetiva para evitar aproximação dele

Salvador

O suspeito de matar a estudante universitária e líder quilombola Elitânia de Souza da Hora, 25, em Cachoeira (a 120 km de Salvador) foi preso no início da tarde desta sexta-feira (29).

José Alexandre Passo Goes Silva, 34, que era ex-namorado da vítima e é filho de um juiz aposentado, apresentou-se espontaneamente em uma delegacia em Feira de Santana (109 km de Salvador).

Ele tinha um mandado de prisão em aberto e será transferido para a delegacia de Cachoeira, onde será interrogado pelo João Matheus Menezes.

A jovem Elitânia de Souza da Hora
A jovem Elitânia de Souza da Hora, morta a tiros no recôncavo baiano - Reprodução/Facebook

Elitânia foi baleada por volta das 22h40 de quarta-feira (29), quando voltava das aulas do da UFRB (Universidade Federal do Recôncavo Baiano). Ela chegou a ser levada para um hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos.

O ex-namorado da vítima era apontado pela Polícia Civil como principal suspeito do crime. Ele não aceitava o fim da relação e chegou a agredir e ameaçar a estudante. Ela tinha, inclusive, uma medida protetiva que impedia a aproximação do suspeito.

Aluna do 7º semestre do curso de Serviço Social da UFRB, Elitânia se preparava para defender seu trabalho de conclusão de curso. Ela iniciou a pesquisa sobre feminicídio, mas depois mudou o objeto de estudo para educação quilombola. 

Ela  atuava como secretária da Associação de Mulheres do Quilombo do Tabuleiro da Vitória e Adjacências, entidade que prestava apoio a oito comunidades quilombolas da zona rural de Cachoeira.

Presidente da entidade, a advogada Maria das Graças Brito, conhecida como Maria de Totó, afirmou que o crime chocou toda a comunidade. Semanas antes, ela havia acompanhado a estudante em seu depoimento à polícia, no qual denunciou agressões e ameaças do ex-namorado.

“Estivemos na delegacia há poucos dias para agilizar o processo, mas já foi tarde demais, o ódio foi mais forte”, afirmou Maria de Totó. 

De acordo com a líder quilombola, Elitânia era uma jovem promissora e que atuava em defesa das comunidades da região: “Era uma menina maravilhosa, tão boa que durou pouco. Estamos todos muito tristes”, afirmou. 

Elitânia também atuava em projetos para o desenvolvimento do turismo nas áreas quilombolas.

Coordenadora de Turismo Étnico da secretaria de Turismo da Bahia, Tâmara Azevedo, lembra que Elitânia foi uma das primeiras jovens da comunidade a entrar na universidade. 

“Ela era um verdadeiro orgulho para todos. Queria se formar e voltar para atuar dentro da sua comunidade. Mas esse sonho acabou nesta madrugada”, afirmou. 

Com a morte da aluna, o reitor em exercício da UFRB, José Pereira Mascarenhas Bisneto, declarou luto oficial de três dias e suspendeu as aulas no Centro de Artes, Humanidades e Letras da universidade nesta quinta-feira (28). 

Em nota, a reitoria da UFRB informou que “as terríveis circunstâncias do crime contra Elitânia causam tristeza e indignação de toda a comunidade acadêmica”. 

A universidade informou que está em contato com a família para prestar assistência, manifestou apoio e solidariedade aos amigos e familiares e afirmou que “deposita sua confiança nas autoridades para que a justiça seja feita”.

Erramos: o texto foi alterado

Uma versão anterior deste texto informou incorretamente que a estudante universitária ​Elitânia de Souza da Hora se preparava para defender seu trabalho de conclusão de curso sobre feminicídio. Na verdade, ela iniciou a pesquisa sobre esse tema, mas depois mudou o objeto de estudo para educação quilombola. O texto já foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.