Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro diz que lamenta a morte de inocentes em baile funk em Paraisópolis

Uma ação policial terminou com nove pessoas mortas por pisoteamento no final de semana

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (2) lamentar a morte de inocentes em ação policial na favela de Paraisópolis que deixou nove mortos no domingo (1º). 

“Eu lamento a morte de inocentes”, afirmou rapidamente, ao parar para cumprimentar um grupo de eleitores na entrada do Palácio do Alvorada.

Na noite desta segunda, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou que Bolsonaro não fez comentários sobre a ação policial e disse que a responsabilidade da apuração é do estado de São Paulo. 

"Hoje à tarde me colocou claramente que entende que a responsabilidade, o aprofundamento do fato e a identificação dos responsáveis é dos órgãos de segurança pública de São Paulo, não fez mais nenhum comentário", afirmou o porta-voz. 

As vítimas estavam em um baile funk com mais de 5.000 pessoas. Imagens e relatos indicam que a multidão acabou encurralada pela polícia em vielas estreitas —alguns tropeçaram e acabaram mortos.

Jovens afirmaram que a ação foi uma "emboscada". A Polícia Militar afirma que ainda não é possível saber se a ação ocorreu de maneira correta, que algumas imagens divulgadas sugerem abusos e que tudo será investigado. 

A corporação sustenta, porém, que a confusão começou após uma perseguição a suspeitos em uma moto, com quem trocaram tiros. Segundo a polícia, a fuga se deu por 400 metros e depois os suspeitos entraram no meio do baile ainda disparando.

"Criminosos utilizaram pessoas no pancadão como escudos humanos", disse o tenente-coronel Emerson Massera, da Polícia Militar.

Os policiais dizem que foram recebidos com pedras e garrafas arremessadas. De acordo com Massera, "houve necessidade do uso de munição química", com quatro granadas de efeito moral e oito tiros de balas de borracha. Jovens feridos e familiares de vítimas rebatem. Segundo eles, não houve perseguição alguma a suspeitos.

Conhecido como baile da 17, o evento aconteceu na rua Ernest Renan. Segundo moradores da favela, a polícia fechou ambos os lados da rua. 

Nas redes sociais, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou lamentar profundamente as mortes e que determinou ao secretário da Segurança Pública, general Campos, apuração "para esclarecer quais foram as circunstâncias e responsabilidades deste triste episódio". Três anos atrás, Doria definiu os pancadões como “um cancro que destrói a sociedade”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.