Descrição de chapéu Obituário Arlene Ehrlich Greenwald (1943 - 2019)

Mortes: Mãe solo, criou Glenn Greenwald e o ensinou a brigar

Arlene Ehrlich Greenwald foi alvo de ataques em redes sociais

São Paulo

Em agosto, com um tumor no cérebro e um diagnóstico de poucos meses de vida pela frente, Arlene Greenwald viu centenas de pessoas entrarem em sua página no Facebook e a acusarem, em português —língua que ela não entendia—, de inventar a doença.

“Ela não ficou destruída, mas chocada com o ódio das pessoas à toa. Ela era muito forte, não ficou mal, mas não conseguia entender como as pessoas poderiam ser tão horríveis por conta da política”, diz seu filho Glenn.

Arlene Greenwald sentada com família à sua volta
Arlene Ehrlich Greenwald (1943-2019), com o filho, Glenn, genro e netos - Arquivo pessoal

Jornalista do portal The Intercept, ele publicava, na época, reportagens em que questionava a imparcialidade de autoridades da Operação Lava Jato —o caso ficou conhecido como Vaza Jato— e foi alvo, com sua família, de ataques nas redes sociais.

“Ela sempre foi muito guerreira, muito lutadora. Teve uma vida difícil e conseguiu superar tudo”, diz ele. “Foi com ela que aprendi a brigar pelas causas que acredito.”

De família de judeus alemães refugiados da Segunda Guerra, Arlene nasceu em Nova York, e conheceu o marido aos 14. Se separaram quando os dois filhos que tiveram eram ainda crianças e, sem estudo, trabalhou em restaurantes e foi caixa do MCDonald’s para sustentar os meninos.

Muito ligada à família, acompanhava de perto o sucesso dos filhos, das competições vencidas pelo mais novo, ginasta, aos furos de reportagem do mais velho, jornalista.

Há oito anos, retirou parte de um pulmão numa cirurgia contra um câncer. O tumor se espalhou para o cérebro e, há 18 meses, fez outro procedimento, desta vez na cabeça.

Depois de uma quimioterapia dolorosa, decidiu interromper o tratamento e enfrentar a doença em casa. 

Foi aí que conheceu os netos brasileiros, filhos de Glenn, que, tímidos, só falavam inglês com ela. “Depois disso, vivia no telefone com eles”, diz o filho.

Na luta contra a doença, morreu na madrugada desta sexta (6), aos 76. Deixa um irmão, dois filhos e quatro netos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.