Descrição de chapéu Alalaô

Fantasia de índio em 2020 reabre temporada de acusações

Debate opõe quem vê homenagem a quem vê ridicularização de etnias

Rio de Janeiro e Belo Horizonte

“Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito/ Se não der, pau vai comer!”, diz uma das marchinhas mais populares do Carnaval.

Há quem ache agora que o “pau vai comer” para quem insistir em transformar indígenas em tema carnavalesco.

Nos últimos anos, partiu do campo progressista questionar por que seria ok caricaturizar minorias na folia.

No fim de semana a bola da vez foi debater se é válido misturar glitter com cocar e penacho.

“Etnia não é fantasia”, gritaram duas jovens a um grupo de homens brancos que passavam tal qual caciques, sábado (15), no bloco carioca Amores Líquidos.

Eles devolveram dizendo que haviam comprado o ornamento numa aldeia, e que, se estavam à venda, é porque a tribo precisava da grana. 

Alessandra Negrini com indígenas no bloco Acadêmicos do Baixo Augusta
Alessandra Negrini com indígenas no bloco Acadêmicos do Baixo Augusta - Zanone Fraissat - 16.fev.2020/Folhapress

No dia seguinte, a atriz Alessandra Negrini tentou se vacinar contra críticas à indumentária de índia que usou no paulistano Acadêmicos do Baixo Augusta. Disse que a luta pelos povos da floresta “é de todos, por isso tive a ousadia de me vestir assim”. 

Jéssica Tôrres, conhecida como Jé Hãmãgãy (etnia da qual descende) e dona do perfil virtual Índia de iPhone, rebateu: “Ousadia é dormir na aldeia depois de ameaça de expropriação. É retomar uma terra roubada, continuar a andar pintado em plena capital e ser barrado em ônibus, Uber.”

Negrini apontou que Sonia Guajajara desfilou ao seu lado. À Folha, a ativista indígena criticou quem se orna com acessórios tribais no Carnaval, mas liberou o uso “como manifesto para amplificar as vozes indígenas”.

O que está em xeque é se pode haver diversão às custas de uma minoria a perigo —no caso, povos nativos, que desde a colonização estão sob ameaça. 

O temor de ser visto como racista ou homofóbico já fez muita gente evitar fantasias como Nega Maluca e marchinhas como “Maria Sapatão” e “Cabeleira do Zezé”. É o “cancelamento”, boicote sobretudo em redes sociais que beira o linchamento virtual. 

A grita é menor para quem vai “de árabe” e canta “Alá-lá-ô” (é de se imaginar que uma multidão ébria seminua evocando a designação muçulmana de Deus ofenda os islâmicos). Também o era para o folião-índio, mas o jogo mudou. 

Mas há um ponto em que, em nome do politicamente correto, passa-se do ponto? É o que indagou o historiador Luiz Antonio Simas após ler tuítes sobre o tempo do Cacique de Ramos ter passado.

Aos 59 anos, o bloco é um dos mais tradicionais do Rio, com suas fantasias de motivos indígenas, algumas comercializadas pelo próprio Cacique. Em 2019, uma da “ala guerreiros” saía por R$ 220. 

“A turma que vai cancelar o Cacique é aquela que, em 2022, vai tentar reverter voto do povão oferecendo café caseiro com bolo de fubá na praça. Tá difícil”, tuitou Simas, aludindo a artistas militantes que foram às ruas com essa tática para tentar engordar o eleitorado do então presidenciável Fernando Haddad (PT) nas últimas eleições. 

“Rolê racista, o Cacique? Esse pessoal enlouqueceu?”, diz o historiador à reportagem, após encaminhar um post que maldiz o papel do Cacique hoje: “Não tem muita diferença entre fantasia de índio e ‘black face’. Tanta fantasia boa, e a galera insistindo nesses rolês racistas”. (O “black face” é a prática de pintar o rosto de preto usada nos EUA segregacionistas para ridicularizar os negros.)

Simas lembra que o bloco tem raízes religiosas. “Foi plantado no axé, como falamos no candomblé. Aquilo é terreno sagrado. O Cacique é dedicado a Oxóssi, não tem nada que faça que não seja legitimado pelo santo.”

Da diretoria do bloco, Fabio Martins diz que só condena a agremiação quem desconhece sua origem. E boa sorte ao tentar “cancelá-lo”, “como se possível fosse impedir a legítima manifestação popular”. 

Então pode tudo? O advogado Edu Goldenberg reproduziu críticas ao que chama de “esquerda vegana” e postou uma foto dele de Nega Maluca para refutar o veto a indumentárias hoje tidas como politicamente incorretas. 

“‘Não pode sair fantasiado de afrodescendente! Nem de mulher!’ Eu, em 2012, no [bloco] Boitatá. De mulher. Preta.” 

Andreia Roseno diz que perdeu a conta das vezes em que teve o cabelo afro puxado por gente que queria ter certeza que não era peruca.

“São coisas que acontecem no meu dia a dia, e no Carnaval as pessoas acham que têm liberdade poética para serem quem eu sou.” 

Ela preside o Conselho Municipal de Igualdade Racial de Belo Horizonte, que publicou no Diário Oficial do Município, na quinta (13), uma nota orientando foliões a repensar visuais que expressem racismo, machismo e LGBTfobia —iniciativa similar à da Defensoria Pública do Ceará em 2019.

O texto cita versos como “o teu cabelo não nega, mulata” para dizer que eles perpetuam expressões de bestialização e hipersexualização do corpo negro, e critica o uso de black power, dreadlocks e “black face” como fantasia. 

Condena ainda os “trans fakes” —homens vestidos de mulher que reforçariam estereótipos contra pessoas trans. 

“Uma época até fez sentido, hoje não mais. Esses grupos estão dizendo que isso nos agride”, afirma Roseno.

Nem todos os blocos acatam. O Banda Mole, que reúne milhares de homens com roupa feminina há 45 anos na capital mineira, coloca seu limite no bom senso de cada um, diz o cofundador Luiz Mário Jacaré Ladeira. 

“O Carnaval é uma sátira. Se você segue uma série de besteiras desse tipo, acaba [com ele]. Não recomendei nada, deixei por conta do folião.” 

Luci Lobato, do bloco afro Tambolelê, diz que a discussão antes restrita aos movimentos ganhou na publicação recente uma janela para reeducar o que é fantasia. 

“Não é que não pode mais”, afirma. “Se as pessoas faziam isso por inocência, diversão —fazer da cultura do outro, do gênero feminino, caricatura— é algo que precisa ser refletido.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.