Descrição de chapéu Coronavírus Textos liberados

Governo de SP decreta fechamento total de serviços não essenciais por 15 dias

João Doria anunciou quarentena para todo o estado a partir de terça

São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou neste sábado (21) estado de quarentena por 15 dias como medida de combate à pandemia de coronavírus, começando na próxima terça-feira (24).

Segundo ele, a medida implica o fechamento obrigatório de todo o comércio e serviços não essenciais —lojas, bares, cafés e restaurantes devem fechar as portas. Restaurantes poderão continuar vendendo no sistema delivery.

Um decreto será publicado detalhando o assunto nos próximos dias.

Doria toma a medida um dia depois de a Justiça proibir cultos e obrigar a fiscalização, sob pena de multa e interdição, de comércios que permaneçam abertos. Ele também adotou, novamente, tom crítico ao presidente Jair Bolsonaro.

O governador afirma que permanecerão funcionando serviços de saúde, alimentação, abastecimento, segurança e limpeza.

Na saúde, ficam abertos hospitais, clínicas, farmácias e clínicas odontológicas. Na área de alimentação, supermercados, padarias e açougues. No caso das padarias, Doria disse que poderão vender os produtos (como pão), mas não alimentos preparados (refeições, por exemplo).

Permanecem abertos ainda transportadoras, postos de gasolina, oficinas de automóveis e motocicletas, serviços de transporte público, táxis, aplicativos de transporte, call center, lojas de pet shop e bancas de jornais.

Bancos, serviços bancários, incluindo lotéricas, seguem funcionando.

"Nenhuma medida aqui anunciada é restritiva ao trabalho das indústrias. A indústria não tem atendimento público", disse Doria. O tucano afirmou que o ramo é fundamental para o atendimento no país. Construção civil, telemarketing e bancos podem operar seguindo este mesmo princípio.

Segundo Doria, a medida vai até 7 de abril, mas pode ser renovada, conforme a necessidade. Na entrevista coletiva, ele anunciou que o número de mortes pelo coronavírus no estado de São Paulo subiu para 15, 6 a mais que no último balanço. O Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, informou que o estado contabilizava 396 casos confirmados.

O anúncio deste sábado também ilustra uma mudança na linha de atuação do governo, que antes trabalhava com recomendações, e agora passa a tratar o fechamento de estabelecimentos e o isolamento como obrigatório. "Saímos do campo da recomendação para determinação", disse.

Na capital, a prefeitura já tem feito fiscalização de comércios, inclusive com a polícia.

"Manifestação de repúdio à iniciativa de festas em comunidades. Vamos adotar medidas policiais
para aglomerações, festas funks", acrescentou Doria nesta sexta. Ele ainda chamou quem organiza as festas de "promotores do mal".

Governador do Estado de São Paulo, João Doria durante coletiva de imprensa sobre coronavírus
Governador do Estado de São Paulo, João Doria durante coletiva de imprensa sobre coronavírus - Governo do Estado de São Paulo

Doria tem adotado uma postura de se contrapor ao presidente Bolsonaro, que miniza a crise e chegou a chamar o coronavírus de "gripezinha". O tucano afirmou avaliar com tristeza essa declaração.

"Muito triste que não tenhamos no país uma liderança em condições de orientar os brasileiros, acalmar os brasileiros, tomar atitudes corretas, liderar sua equipe de trabalho para tomada tomada de decisões corretas e que atendam a expectativa da população", disse Doria.

"Na ausência dessa liderança, nós em São Paulo, outros governadores em seus respectivos estados, prefeitos e prefeitas nos municípios, estão cumprindo sua obrigação fazendo o que deve ser feito e aquilo que o presidente Bolsonaro não consegue fazer", acrescentou.

Doria afirmou que haverá uma reunião com governadores do Sudeste para tratar de assuntos relativos a essa coordenação.

FISCALIZAÇÃO

A Prefeitura de São Paulo já havia feito um decreto para obrigar o fechamento de lojas. Agora, com a quarentena imposta pelo governador, bares, cafés e restaurantes, entre outros, passarão a ser fiscalizados.

Na sexta, a prefeitura começou a fazer a fiscalização do fechamento dos estabelecimentos comerciais. Mas, segundo o secretário das Subprefeituras Alexandre Modonezi, não se trata de uma ação punitivista, mas sim de conscientização.

A estimativa da prefeitura é que entre 90% e 95% dos comércios fecharam espontaneamente.

"Não é uma ação repressora, estamos trabalhando com comerciantes que trabalham e ajudam a cidade a se desenvolver. O que a gente precisa é que todo mundo compreenda o período de restrição que todo mundo vive", disse.

Segundo ele, nos casos de lojas abertas, equipes da prefeitura conversaram com eles e conseguiram conscientizá-los a fechar as portas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.