Descrição de chapéu Coronavírus

Morre Alfried Plöger, presidente do conselho da Associação Brasileira das Companhias Abertas, por coronavírus

Com 80 anos, o economista também era conselheiro da Companhia Melhoramentos

São Paulo

O presidente do conselho da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), Alfried Plöger, morreu no último domingo (12) em decorrência do coronavírus. Segundo a família, ele tinha problemas cardíacos e respiratórios.

O economista, de 80 anos, também era conselheiro de administração da Companhia Melhoramentos e atuava em entidades como o Comitê de Pronunciamentos Contábeis, Associação Comercial de São Paulo e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

Alfried Plöger, presidente do conselho da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), que morreu por coronavírus
Alfried Plöger, presidente do conselho da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), que morreu por coronavírus - Marcelo Simonka/Divulgação

Na Abrasca, ele ocupou o cargo de presidência entre os anos 1997 e 2007 e, desde 2017, estava no conselho diretor da instituição.

Plöger nasceu na cidade de Stettin, na Alemanha, e se mudou para o Brasil em 1948.

Um entre cinco irmãos, gostava de futebol e foi goleiro na juventude. "Ele era palmeirense de paixão e, até pouco tempo, ia assistir aos jogos", conta Ingo Plöger, um de seus irmãos.

Ele se formou pela Escola Superior de Economia na Alemanha em 1966 e começou sua carreira na Companhia Melhoramentos no mesmo ano em que se naturalizou brasileiro, em 1969.

Pela família, o economista é lembrado como um bom contador de histórias e como alguém que tinha um humor aguçado.

Ingo conta que a maior paixão do irmão era o mercado de ações. A segunda, era a Melhoramentos.

"Ele era uma pessoa muito cheia de vida, de opiniões, que gostava de entrar nos detalhes das questões", conta Alfredo Weiszflog, um dos donos da Melhoramentos e com quem trabalhou por 50 anos.

Além da Abrasca e do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, o Colégio Visconde de Porto Seguro também lamentou a morte de Plöger em nota.

Desde 1970, ele era membro da fundação e conselheiro curador. O economista também foi presidente da diretoria entre 1988 e 2011.

O enterro ocorreu na segunda-feira (13) em uma cerimônia restrita aos familiares, no cemitério do Redentor, na zona oeste de São Paulo. Ele deixa a esposa, Claudia, e quatro filhos. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.