Descrição de chapéu Coronavírus

PM de SP para em todo estado em homenagem a soldado morto em favela

Rituais como salva de tiros foram suspensos de cerimônia por conta de coronavírus

São Paulo

Todas as viaturas da Polícia Militar de São Paulo pararam por um minuto neste sábado (18). Pontualmente às 11h, os veículos foram estacionados em local visível, as sirenes foram acionadas, enquanto os policiais ficaram em posição de sentido e prestaram continência.

O gesto, repetido em todas as 645 cidades do estado, era a homenagem do comando da corporação ao soldado Felipe Jorge Pini Bubinick, 32, que, naquele horário, tinha seu corpo enterrado no Mausoléu da PM, no cemitério do Araçá (zona oeste da capital paulista) com ritos restritos por causa da pandemia do novo coronavírus.

Mãe de policial morto em serviço recebe bandeira do comando da PM; bandeira foi entregue dentro em recipiente para evitar contágio pelo coronavírus - Arquivo pessoal

Bubinick, que estava na corporação havia quatro anos, morreu na madrugada desta sexta (17) após ser baleado por criminosos. De acordo com os colegas, o soldado foi ferido em uma viela do Jardim Colombo, na região da favela de Paraisópolis, quando perseguia um suspeito que havia fugido da abordagem.

Socorrido, foi levado ao Hospital Albert Einstein, mas não resistiu aos ferimentos. Ele deixa duas filhas pequenas.

Trata-se do terceiro policial militar morto na região em menos de dois anos. A homenagem —a PM considera policiais mortos em combate heróis— foi uma das poucas que o comando da corporação pode manter integralmente.

Com a pandemia do novo coronavírus, ritos, como salvas de tiros e o cortejo fúnebre com a participação de representantes de todas as unidades da capital foram suspensos pela primeira vez. Até a bandeira tradicionalmente dobrada por policiais militares durante a cerimônia e entregue à família foi dobrada antecipadamente e colocada em um recipiente para evitar o contágio.

PM morto em favela de SP
O soldado da PM de SP Felipe Jorge Pini Bubinick, 32, que morreu após ser baleado por criminosos da zona sul da capital - divulgação Polícia Militar

Segundo o subcomandante do batalhão ao qual Bubinick pertencia, major Alexandre Flores Nepomuceno, 46, o velório do PM teve horário reduzido por causa da quarentena, e foi preciso que cada um dos cerca de 200 presentes ficasse poucos segundos diante do corpo para evitar aglomeração. "Tivemos o cuidado de colocar álcool, máscaras e luvas para todos", afirmou.

“É um herói nosso que padece, e a gente não pôde prestar todas as honras que ele merecia. O pessoal sentiu, mas acabou compreendendo porque é uma medida sanitária que a gente tem que acatar.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.