Polícia de SP fecha 'padaria' do PCC capaz de produzir 900 papelotes de cocaína por minuto

Com maquinário de cerca de R$ 3,7 mi, estrutura é uma das maiores e mais modernas descobertas pela polícia

São Paulo

Uma ação da Polícia Militar de São Paulo fechou na manhã desta sexta-feira (17) uma das mais bem estruturadas “padarias” já montadas pela facção criminosa PCC na capital paulista, capaz de processar e produzir 900 embalagens de cocaína por minuto. Só o maquinário industrial apreendido no local está avaliado em cerca de R$ 3,7 milhões.

De acordo com a polícia, a “padaria” vinha funcionando em um galpão no Jardim Juçara, ao lado da comunidade de Paraisópolis, na zona sul da capital. Três suspeitos foram presos. Foram apreendidos 712 quilos de cocaína refinada e mais 60 quilos de pasta base.

De acordo com o tenente Henrique de Oliveira e Silva, comandante da equipe responsável pela operação, a droga produzida naquele local era distribuída não só para favela de Paraisópolis, mas para toda a zona sul capital. “Em valores, foi declarado que eles produziam cerca de R$ 300 mil por dia”, disse o oficial.

droga pcc
Galpão que funcionava local de processamento e embalagem de cocaína na zona sul da capital - Divulgação Polícia Militar

A prisão dos suspeitos, apreensão das drogas e maquinário ocorreu de forma inesperada. Os policias passavam em frente ao galpão quando um dos suspeitos, que saía do local, se assustou em tentou correr. Ao ser questionado sobre o que fazia por ali, deu informações imprecisas, o que levou os PMs a descobrir as máquinas funcionando na embalagem das drogas.

“Padaria” é a forma com os criminosos da facção chamam os pontos de armazenagem, processamento e distribuição de drogas espalhados pelas áreas de dominadas por eles.

Por muitos anos, a facção contratou criminosos para embalar essas drogas manualmente. Além de ser um processo lento e precisar envolver um contingente cada vez maior por conta de demanda, havia sempre o risco de parte da carga ser desviada ou consumida pelos trabalhadores. Daí a necessidade de investimento em tecnologia.

A “padaria” fechada nesta sexta é considerada uma das maiores (se não a maior) estruturas montadas pelo PCC, e das encontradas pela a polícia. Só de máquinas em funcionamento, originalmente projetadas para ensacar grânulos e pós, foram encontradas quatro delas avaliadas em R$ 450 mil cada uma delas, capazes de processar 180 cápsulas por minuto as três juntas.

Uma outra máquina, ainda maior, avaliada em R$ 1 milhão, estava no galpão pronta para ser montada. Só esse novo equipamento geraria 720 embalagens por minuto —chegando à capacidade total de 900 saquinhos de droga por minuto. Outras duas máquinas novas (avaliadas igualmente em R$ 450 mil) também estavam prontas para entrar em funcionamento.

A Polícia Civil formalizava a prisão em flagrante dos suspeitos até a conclusão deste texto. A droga apreendida foi encaminhada para perícia, para a confirmação necessária para o processo criminal.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.