Descrição de chapéu Coronavírus

Rio já tem espera de dias por UTI, e médicos escolhem quem usa respirador

Sem hospitais de campanha, unidades menores ficam lotadas e pacientes são enviados para outra cidade

Rio de Janeiro

Esta quarta-feira (22) foi um dia emblemático na vida do médico de família Pedro (nome fictício). Começou com uma paciente grave, com saturação de oxigênio no sangue em 93%, que ele conseguiu levar para ser internada na unidade de pronto atendimento ao lado.

Logo depois chegou outro saturando em 87% (o aceitável é acima de 95%), que ele também conseguiu transferir ao outro prédio, mas ficou em uma poltrona de acompanhante porque não havia leito.

Começam a funcionar as tendas de acolhimento para o Covid-19 em algumas UPAS da zona oeste
Começam a funcionar as tendas de acolhimento para o Covid-19 em algumas UPAS da zona oeste - Gabriel de Paiva/ Agência O Globo

Quando veio a terceira, porém, uma idosa de 85 anos quase em coma, a resposta foi direta: "Não temos como recebê-la". O jeito foi improvisar um equipamento de oxigênio e esperar uma vaga aparecer no sistema de regulação, o que aconteceu cerca de 5 horas depois, quando a clínica já havia fechado.

Nesse meio tempo, um tiroteio completou o cenário de caos. Uma outra paciente com sintomas de Covid-19 tentou se jogar da maca, mas Pedro, a enfermeira e a técnica de enfermagem conseguiram agarrá-la e sentaram com ela no colo até tudo passar.

A história cinematográfica, nas palavras de Pedro, se passou na clínica da família de Manguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro. Narrativas parecidas pipocam em toda a capital à medida que o novo coronavírus se espalha.

Já sem vagas disponíveis para pacientes com a doença na rede pública, a cidade sente falta dos hospitais de campanha, que ainda não foram abertos. Unidades menores, como clínicas da família, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e CERs (Coordenações de Emergência Regionais), estão lotadas, sem conseguir transferir infectados.

Com isso, pacientes da capital estão sendo enviados para o Hospital Regional Zilda Arns, em Volta Redonda, a mais de 1h30 de distância. A Secretaria Estadual de Saúde diz que as transferências são parte do protocolo para não sobrecarregar as equipes.

"Os pacientes de Covid-19 necessitam de preparo específico pela gravidade dos quadros. Isso faz com que a secretaria encaminhe o paciente de forma alternada para as diferentes unidades espalhadas pelo território", diz a pasta em nota.

A Folha apurou que cerca de 60 a 70 pacientes esperavam por leitos de UTI na capital nesta quarta (22). Para enfermaria, eram 300 à espera. São pessoas que estão só estabilizadas, em condições inadequadas, muitas vezes sem isolamento e acesso a exames ou respiradores, e atendidas por profissionais que reutilizam máscaras e macacões.

A prefeitura e o estado do Rio têm divulgado apenas taxas de ocupação, sempre abaixo de 100%, que na visão de funcionários do sistema de regulação não refletem a realidade atual de lotações e filas. Pacientes têm esperado horas e até dias por transferências no SUS.

O governo diz que a rede estadual está com 66% dos leitos de enfermaria e 80% dos leitos de UTI cheios, mas considera o sistema inteiro, e não só as vagas de Covid-19. Já a prefeitura comunicou que a taxa de ocupação de todas as UTIs públicas na capital está em 93%.

No Hospital de Federal de Bonsucesso, onde estavam previstos 170 leitos mas só 27 foram disponibilizados por falta de profissionais, uma funcionária relata que um homem com sintomas de coronavírus chegou a morrer sozinho na terça (21) porque não havia leitos adequados.

Como as vagas estão lotadas, quatro consultórios na emergência também estão abrigando pacientes, mas ali não há vidro para que eles sejam observados 24 horas. O homem dormiu nesse local. Quando a equipe de enfermagem entrou na manhã seguinte, ele estava morto. O hospital disse que vai apurar o caso.

Na UPA Magalhães Bastos, em Realengo (zona oeste), o médico Gustavo Treistman, 32, relata que a situação piorou em seu último plantão, na segunda (20). "Quando cheguei às 7h, o pessoal já avisou: não tem mais respirador, se precisar ser intubado não dá."

Na sala vermelha cabem quatro, mas havia sete. Dois faleceram por Covid e dois com menos complicações conseguiram transferência depois de dois dias deitados ali. Os mais graves, porém, não tiveram a mesma sorte. Um estava na unidade havia cinco dias.

Diante da situação de desespero, a prefeitura de Marcelo Crivella (Republicanos) publicou nesta quinta (23) um edital para contratar mil leitos de UTI na rede privada até que sejam abertos mais leitos na rede pública e nos hospitais de campanha.

As obras municipais, no Riocentro (500 leitos), ficaram prontas no último domingo (19), mas ainda faltam funcionários e respiradores. É a mesma situação do Hospital do Fundão, ligado à UFRJ, que tem 60 leitos mas não tem profissionais para operá-los —só 7 das 470 vagas foram preenchidas.

A prefeitura diz está em processo de contratação temporária de mais de 5.000 pessoas para ocupar essas e outras unidades, das quais quase 1.000 já foram efetivadas no hospital de referência Ronaldo Gazolla.

Os dez hospitais de campanha ou modulares estaduais, do governo Wilson Witzel (PSC), que somam 2.000 leitos, também estão atrasados. Seriam inaugurados em abril, mas agora estão previstos para maio, primeiro no Leblon e no estádio do Maracanã.

Já na rede federal, a Justiça determinou nesta quarta um prazo de 48 horas para que os seis hospitais geridos pela União no Rio passem a liberar leitos livres para pacientes de outras unidades. O governo federal terá o mesmo prazo para informar quais unidades hospitalares móveis serão montadas pelo Exército.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.