Descrição de chapéu Obituário Fernando Antônio Py de Mello e Silva (1935 - 2020)

Mortes: Poeta, foi o melhor amigo das palavras e da arte de traduzir

Fernando Py foi tradutor renomado, poeta, crítico literário, redator, colunista e meteorologista

Nathália Paiva
São Paulo

As palavras eram as melhores amigas de Fernando Py, que as traduzia com enorme propriedade e paixão.

Fernando Antônio Py de Mello e Silva foi, além de tradutor renomado, poeta, crítico literário, redator, colunista e meteorologista. Nasceu no Rio de Janeiro. Formou-se em direito, mas não exerceu a profissão.

Preferiu trabalhar como colaborador em jornais como O Globo, Jornal da Tarde, Estado de Minas e Correio do Povo. Era colunista do jornal Tribuna de Petrópolis desde 1999.

Fernando Antônio Py de Mello e Silva (1935-2020)
Fernando Antônio Py de Mello e Silva (1935-2020) - Arquivo pessoal

A filha, a artista plástica Regina Mello, 49, conta que para ele a biblioteca era quase um lugar sagrado. “Ali passava horas, entre livros, pesquisas e traduções, e sempre com o fundo musical de sua máquina de escrever.”

A lembrança do espaço de leitura também se perpetua na memória da dançarina Elisa Mello, 32, neta de Fernando. “Está viva em mim a cena cotidiana de meu avô em sua biblioteca. Aquela atmosfera de calma e silêncio era um refúgio para mim e certamente para ele”, afirma Elisa.

Como tradutor, interpretou obras de língua inglesa, espanhola e principalmente francesa. Traduziu a Grande Enciclopédia Delta Larousse e obras da literatura estrangeira como “Os Três Mosqueteiros”, de Alexandre Dumas, e “Em Busca do Tempo Perdido”, de Marcel Proust.

O psicanalista Luiz Alberto Py, 80, lembra do irmão mais velho com gratidão. “Era carinhoso e sempre me protegeu. Deixou uma bela lembrança de generosidade e amor”.

Fernando era membro da APL (Academia Petropolitana de Letras) e da ABP (Academia Brasileira de Poesia). Escreveu livros de poesia, crítica e pesquisa como “Aurora de vidro” (1962) e “Bibliografia Comentada de Carlos Drummond de Andrade” (1980).

Fernando Py morreu em 21 de maio, aos 84 anos, de insuficiência respiratória e parada cardíaca. Deixa três filhos e quatro netos.

​​coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.