Criança morre no Pará vítima de descarga elétrica pelo celular

Chovia no momento do acidente; choques elétricos em casa têm crescido no país, diz setor

Timóteo Lopes
Belém

Um menino de 11 anos morreu após sofrer uma descarga elétrica enquanto carregava o celular. No momento do acidente chovia bastante na região. O caso ocorreu, em Santarém (PA), no último domingo (23). Matheus Macedo Campos chegou a ser socorrido e levado a um hospital municipal, mas não resistiu a uma parada cardiorrespiratória.

Segundo a avó, o menino tinha voltado na chuva da casa da tia para almoçar. Chegando na casa dos pais, ele ligou o celular pra carregar em uma extensão e deitou no chão em cima de uma toalha molhada que usou para se enxugar.

"Foi tudo muito rápido. Ele e o irmão de cinco anos estavam jogando no celular. O próprio Matheus pediu pro irmão se afastar em um momento. Foi quando teve uma queda de energia e a tomada entrou em curto circuito. Ele levou o choque na hora. Se o irmão não tivesse saído de perto dele também teria morrido", contou a avó Maria Raimunda Campos Brito.

Matheus Macedo Campos, 11, morreu após sofrer uma descarga elétrica enquanto carregava o celular. No momento do acidente chovia bastante na região - Arquivo Pessoal

Os familiares correram pra levar o menino até o hospital. A vítima ainda chegou a ser reanimada por uma equipe do SAMU, mas não resistiu e morreu.

"É uma tragédia. Meu neto estava só brincando no celular. Nunca imaginamos que isso pudesse acontecer. Não deixem seus filhos usarem o celular enquanto estiver ligado na tomada. É muito perigoso", diz a avó.

O caso chama atenção para o uso de celulares ligados a rede de energia. Dados da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel) revelam que, em 2019, foram registrados 909 acidentes com a rede elétrica - sendo 697 óbitos por choques. De 2018 para 2019, o aumento no número de acidentes de origem elétrica foi de 16,71%.

No ano passado, o Nordeste liderou o número de mortes por choques elétricos (287) no país. O Sudeste ficou em segundo (142), e o Norte em terceiro (86), sendo que o Pará foi o estado da região com o maior número de vítimas fatais (27).

Segundo dados da Abracopel, os acidentes domésticos vem registrando um aumento crescente no número de mortes por choques elétricos no país. Em 2019, o uso do carregador do celular registrou o maior número de acidentes por choques elétricos em moradias, com 15 vítimas fatais.

O Brasil é o líder em incidência de raios no mundo, com cerca de 77,8 milhões de descargas para o solo a cada ano. Levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Elat-Inpe) mostra que de 2000 a 2019, no Pará, o número de mortes relacionados a incidência de raios chegou a 162 óbitos.

A morte do garoto ocorreu em período de chuva forte, em Santarém (PA), no último domingo (23). - Arquivo pessoal

Especialistas alertam que o uso de equipamentos, como o celular, ligados à rede elétrica durante tempestades pode ser uma combinação fatal.

"Se você está dentro de casa em contato com algum objeto ligado à rede elétrico ou até mesmo telefônica e cai um raio na região, ele induz corrente nos fios que chegam até a tomada. As chances de você receber uma descarga elétrica são grandes. Por isso é extremamente arriscado e perigoso falar ao celular ou utilizar o aparelho ligado na rede elétrica quando estiver chovendo", afirma o engenheiro e coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Elat-Inpe, Dr. Osmar Pinto Jr.

O coordenador do Elat-Inpe avalia ainda que a negligência ou falta de informação pode levar a um número cada vez maior de mortes por choques elétricos.

"Durante uma tempestade tem raios que são 100 vezes mais intensos do que outros, com correntes que podem variar de 2.000A até 300.000A. Logo, quando um raio cai próximo a uma rede elétrica, a intensidade da corrente que circula na fiação pode ser muito alta. O melhor é nunca utilizar nenhum equipamento ligado à rede elétrica durante uma tempestade, porque essa pode ser uma combinação extremamente fatal", diz o especialista.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.