Descrição de chapéu Obituário Luiz Machado (1933 - 2020)

Mortes: Venceu o preconceito e chegou a Adoniran Barbosa

Luiz Machado era clarinetista, saxofonista, compositor, arranjador e pianista

São Paulo

O músico Luiz Machado frequentou escola apenas por três meses. Aprendeu a ler e escrever sozinho.

Nascido em Porangaba (173 km de SP), em família pobre, precisou de coragem para enfrentar as dificuldades. Órfão de pai, foi criado em Sorocaba, cidade a 99 km de SP.

Pelos percalços, era motivo de chacota das pessoas. Os colegas diziam que Luiz não seria nada na vida, mas seu otimismo vencia. Ele acreditava nos objetivos. Segundo o filho, o clarinetista Mário Machado, 46, Luiz jamais dizia “vou tentar”. Preferia “vou fazer”.

Luiz Machado (1933-2020)
Luiz Machado (1933-2020) - Arquivo pessoal

Aos 17 anos, mudou-se para a capital paulista com o objetivo de tentar a carreira musical. Conseguiu emprego numa fábrica de papel carbono e moradia em uma pensão na rua Voluntários da Pátria, em Santana, na zona norte.

Foi autodidata no aprendizado do clarinete, do saxofone, como compositor e arranjador. Anos após ter aprendido o ofício, aprimorou o talento em conservatório.

Ridicularizado por ter o sonho maior que a instrução, Luiz começou sua história como músico timidamente, na Rádio Cacique, em Sorocaba.

Com clarinete e saxofone, entrou para os conjuntos regionais e se apresentou nos programas ao vivo da TV e do rádio. Acompanhou cantores famosos como Sílvio Caldas e Orlando Silva. Participou da primeira gravação da música “Ronda”, de Paulo Vanzolini, na voz de Inezita Barroso, em 1953.

“Ele também foi músico exclusivo de Adoniran Barbosa, Dick Farney e Altemar Dutra”, afirma Mário.

A partir de 1965, seguiu a carreira musical com menos holofotes, em bares, restaurantes e eventos.

Aprendeu a tocar piano, instrumento que serviu como cupido na história de amor entre Luiz e a esposa, Diza Cardoso Machado, em 1967. Ela se apaixonou ao ouvi-lo tocar no piano a música “Como é Grande o meu Amor por Você”, de Roberto Carlos.

Bom de prosa, Luiz era um homem sensível e gentil. Gostava de dar atenção às pessoas, principalmente crianças, e da natureza.

Luiz Machado morreu dia 5 de agosto, aos 87 anos, de choque séptico. Viúvo, deixa três filhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.