Descrição de chapéu Obituário Carlos Fuser (1958 - 2020)

Mortes: Com a pedagogia ensinou a dar olhar crítico à vida

Carlos Fuser trocou a militância política pela educação

São Paulo

A vida do professor Carlos Fuser foi dividida em militância política e fascínio pela educação.

A curta trajetória de 62 anos permitiu-lhe relacionar-se com pessoas de diferentes tribos e ser querido por todas. Por onde passou, bons sentimentos ficaram.

Apaixonado pela humanidade, Carlos encantou pela inteligência, otimismo e o bom e ácido humor misturado ao sarcasmo.

Carlos Fuser (1958-2020) com a filha Beatriz e a atual esposa, Márcia
Carlos Fuser (1958-2020) com a filha Beatriz e a atual esposa, Márcia - Arquivo pessoal

A militância política perdurou até meados dos 40 anos, quando a carreira de educador deu novo sentido à sua vida.

Inicialmente, uniu-se ao PCdoB (Partido Comunista do Brasil) e depois ao PT (Partido dos Trabalhadores).

A veia criativa o acompanhava. Em 1976, aos 18 anos, Carlos havia iniciado licenciatura em artes na Faap (Fundação Armando Álvares Penteado), mas a organização de uma greve estudantil no local acarretou na sua expulsão pouco tempo depois.

Desencantado da política, Carlos mudou radicalmente. Tornou-se um anarquista, defensor da liberdade de pensamento e do direito de escolher o próprio caminho.

“Meu irmão deixou ali muitos pedaços de si, feridas diversas, suor e lágrimas, mas continuou a busca por caminhos para contribuir para um mundo mais justo”, diz o jornalista e professor universitário Bruno Fuser, 61.

Somente em 1990 concluiu na Faculdade de Belas Artes o curso iniciado 14 anos antes na Faap. Depois, fez licenciatura em pedagogia na USP e mestrado na PUC-SP em psicologia da educação.

Carlos escolheu a pedagogia porque desejava despertar as pessoas para olhar a vida com viés crítico. A carreira de docente durou cerca de 20 anos.

Atualmente, cursava filosofia a distância e planejava o doutorado.

Carlos guardava no coração espaço especial à família. A maior paixão era a netinha Juju, um presente da vida.

No dia 16 de outubro foi internado após sentir-se mal. Era um tumor intracraniano. Em 15 de novembro, sofreu uma parada cardíaca causada por tromboembolia pulmonar. Carlos deixa a esposa, três filhos, uma neta, os pais e quatro irmãos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.