Descrição de chapéu Obituário Valquimar Reis Fernandes (1969 - 2021)

Mortes: Na militância pelo MST, levou a música, o violão e a alegria

A trajetória de Valquimar Reis Fernandes foi marcada por atuações importantes nas lutas populares

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Valquimar Reis Fernandes ou Kima, como era conhecido, foi um apaixonado por música. O incentivo veio do pai, Waldemar Pinheiro Fernandes, hoje com 82 anos.

Talentoso no contrabaixo e no violão, Kima e seu irmão, Waldemyr Reis Fernandes, 54, montaram a primeira banda de rock de Ji-Paraná (RO), onde nasceu.

Terceiro entre sete filhos, Kima começou a trabalhar com cerca de dez anos de idade, numa padaria. Para chegar ao local, ele e o irmão saíam de casa durante a madrugada e caminhavam mais de seis quilômetros.

Para sondar o mercado musical e em busca de oportunidade de estudo e trabalho, Kima trocou sua cidade natal por São Paulo.

A nova vida o apresentou ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), do qual tornou-se um militante na luta pela reforma agrária.

Valquimar Reis Fernandes (1969-2021)
Valquimar Reis Fernandes (1969-2021) - Arquivo pessoal

Sua trajetória foi marcada por atuações importantes. Entre os anos 1999 e 2000, foi perseguido e preso por pouco mais de um ano devido a um protesto em Boituva (a 121 km de SP) contra o preço dos pedágios e as políticas de privatização do governo Fernando Henrique Cardoso.

Ótimo contador de histórias, era enfático nas palavras de ordem e 100% coração com a família e os amigos. Com o violão em mãos, dava som às emoções.

As dificuldades da vida nunca tiraram sua alegria. Seu senso de humor era grande, levando a vida na positividade. Pela experiência de vida, tornou-se uma pessoa muito agregadora.

Atuou na construção do plebiscito contra a Alca, na coordenação do Fórum Social Mundial e na criação da CMS (Coordenação dos Movimentos Sociais).

Em 2002, passou a atuar no Rio de Janeiro e se transformou em uma referência nacional do MST.

Segundo informações do MST, Kima conheceu a clandestinidade e se tornou Joaquin Piñero, dirigente internacionalista. Em 2005, foi para a Venezuela, onde contribuiu com a construção da primeira brigada do MST e com a Revolução Bolivariana.

Ao retornar ao Brasil, em 2007, atuou na construção da secretaria da Alba Movimentos, a partir de São Paulo, tendo papel fundamental no lançamento da articulação das lutas populares da América Latina. Cinco anos depois, Kima voltou ao Rio de Janeiro, como coordenador do escritório.

Valquimar Reis Fernandes morreu dia 11 de março, aos 51 anos, por complicações de um câncer. Deixa a companheira Karla, as duas filhas, Anahy e Yara, o pai e seis irmãos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.