Descrição de chapéu Obituário Luisa do Amparo Carvalho Patatas (1967 - 2021)

Mortes: Dedicada a ensinar, foi digna no papel de educadora

Lui Patatas era professora de Língua Portuguesa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Familiares, amigos e ex-alunos lamentaram a morte precoce da professora Luisa do Amparo Carvalho Patatas, conhecida por Lui Patatas, nas redes sociais. Ela morreu dia 1º de março, aos 54 anos, por complicações de Covid-19.

Natural de Angola, na década de 1970 Lui veio com as duas irmãs e os pais, Jorge Manoel Patatas e Maria de Jesus das Dores Alves Carvalho Patatas, para São Paulo. A família fugia da guerra. Da capital paulista seguiram para Cuiabá, pois Jorge havia conseguido trabalho.

Lui cursou ensino médio no IFMT (Instituto Federal de Educação de Mato Grosso) —antigamente chamado de Escola Técnica Federal de Mato Grosso.

Formou-se em letras na Universidade Federal de Mato Grosso. Como "o bom filho à casa torna", após lecionar em colégios particulares, Lui prestou concurso para o IFMT, foi aprovada e em 1995 tornou-se professora da disciplina de língua portuguesa. Saiu de lá aposentada, em 2019.

Luisa do Amparo Carvalho Patatas (1967-2021)
Luisa do Amparo Carvalho Patatas (1967-2021) - Arquivo pessoal

Bondade e sabedoria eram dois elementos presentes em sua vida.

"Minha mãe era 100% coração. Boa ouvinte e conselheira, iluminou muitos caminhos. Acho que foi a melhor pessoa que todo mundo já conheceu. Era tão bondosa que perdia a noção do perigo. Ela chegou a dar carona a estranhos", conta o servidor público federal Mikail Patatas de Arruda, 32, seu filho.

Dos alunos foi também a amiga exigente. Esforçava-se para mostrar a eles a importância de conquistar a carreira dos sonhos e ser feliz. "Como ela amava muito viver, dizia que estávamos na vida para sermos felizes", diz Mikail.

A professora aposentada Vânia Cristhina Nadaf, 54, a conhecia desde 1995, mas foi em 2010, com o doutorado, que nasceu a forte amizade.

"A Lui era muito sábia e bondosa. Sabe o que eu gostava de ver nela? A relação que estabelecia com os alunos, que aprenderam a gostar de leitura com ela. No doutorado, vi uma mãezona. Ela cuidava de todo mundo."

Aposentada, Lui pôde aproveitar mais a vida e fazer o que sempre gostou. Esteve no Rock in Rio, nas aulas de ioga e hidroginástica, prestigiando a sétima arte e o encontro com os amigos.

Divorciada, Lui Patatas deixa dois filhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.