Com mensalidades de até R$ 10 mil, mercado de colégios de elite avança

Escolas ensinam exatas em inglês; unidade em SP investiu US$ 50 milhões

Alunos sentados ao redor de uma mesa observam a professora, que escreve em um quadro
Primeiros alunos a se matricular na Avenues, em São Paulo, participam de semestre preparatório antes do início das aulas na nova escola, em agosto - Avenues/Divulgação
Laura Mattos
São Paulo

​Eles ensinam matemática, física, química e biologia em inglês, adotam currículos internacionais e prometem formar líderes globais que irão cursar as melhores universidades do mundo.

Enquanto a crise econômica brasileira levou escolas particulares, das simples às mais tradicionais, a ter de dar desconto nas mensalidades e enfrentar a inadimplência e até a perda de alunos para instituições mais baratas ou públicas, emergiu no país o mercado dos colégios de elite, com mensalidades de até R$ 10 mil.

Esse setor terá o mais badalado dos lançamentos em agosto, quando começam as aulas na Avenues São Paulo.

Fundada em 2012 em Nova York, a escola, que, entre seus vários apostos, é a que tem a filha de Tom Cruise como aluna, abrigará no seu campus paulistano em Cidade Jardim (zona oeste)
um prédio de 40 mil m² com vaga para 2.100 estudantes, no qual foram linvestidos cerca de US$ 50 milhões (R$ 170 milhões).

O calendário será o americano, por isso a abertura em agosto, quando começa o ano letivo no hemisfério norte. Os alunos que migrarem para lá de escolas brasileiras irão recuar um semestre.

Em 2018, haverá turmas desde o “nursery”, ou berçário, até o “10th grade”, o primeiro ano do ensino médio.

Chamados de Os Primeiros, os 31 alunos matriculados nesse estágio cursam um semestre preparatório no prédio da Civi-Co, “coworking” de empreendedores sociais, em Pinheiros (zona oeste).

Já estão em contato com o que a escola vende como um de seus pilares: projetos que levem os alunos a pensar em soluções para as grandes questões mundiais. Neste início, trabalham com um aplicativo que conecta catadores a quem tem algo a ser recolhido. No fim do semestre, passarão um mês na Avenues de Nova York.

Cerca de 4.000 pessoas visitaram o luxuoso escritório de 1.000 m² da escola, no Itaim (zona sul), e 700 alunos estão com reserva de vaga. A mensalidade ainda não foi divulgada, mas deve ficar entre R$ 9.500 e R$ 10 mil. 

Nem todos os que podem pagar são aceitos. A depender da idade, passam por testes de matemática, inglês, português e redação, além de entrevistas para avaliar sua personalidade e habilidade de comunicação. Já houve reprovados.

Cofundador da Avenues, Alan Greenberg conta que começou a viajar para São Paulo há seis anos, a fim de se certificar de que a cidade deveria sediar o segundo campus da escola. Percebeu que era grande a demanda —os mais caros colégios bilíngues da capital, com mensalidades que ultrapassam R$ 7.000, têm filas de espera.

A Avenues se coloca como “a única escola realmente internacional do Brasil”. Isso porque planeja ter em torno de 20 campi em diferentes países. O próximo deverá ser em Xangai, na China, depois virão Miami, Londres e outros a serem definidos na Europa, Ásia e América.

“Não teremos várias escolas. Mas uma só escola com muitos campi. Em um dos eventos em São Paulo, colocamos estudantes brasileiros em contato com os de Nova York através de um telão. Eles estudarão na mesma escola, vão crescer juntos, mesmo morando em países diferentes. Qual outra escola pode fazer isso?”

Greenberg não divulga números, mas diz que, apesar de haver alunos estrangeiros dentre os que reservaram vagas, a grande maioria é de brasileiros. O corpo docente é 60% formado por brasileiros e 40%, por estrangeiros, entre profissionais de China, Cingapura, Itália, Inglaterra e da Avenues Nova York.

Dos nacionais, há ex-professores da britânica St. Paul’s e das norte-americanas Chapel e Graded, todas de São Paulo. Mas Greenberg reforça as aquisições dos colégios tradicionais brasileiros, como Porto Seguro, Bandeirantes e Santa Cruz, de onde vem, após 40 anos de empresa, a diretora pedagógica Cristine Conforti.

Símbolo da recente dança das cadeiras na educação da elite, que envolve “headhunters” e salários acima da média, ela será diretora do programa brasileiro da Avenues. Essa contratação, diz Greenberg, demonstra que a língua portuguesa não é secundária.

E, dentre tantas promessas, há uma curiosa: os alunos da Avenues, segundo Greenberg, não vão viver em “uma bolha”. A diversidade seria alcançada com a inclusão de bolsistas de baixa renda e a inserção dos alunos em projetos sociais fora da escola.

CONCEPT

Nada parece mesmo modesto nesse novo mercado. A Concept, R$ 6.000 de mensalidade, publicou no dia de sua inauguração, em fevereiro, o seguinte anúncio: “Nasce hoje a mais inovadora das escolas. Antecipando o que todas as escolas irão se tornar”.

Novo negócio do grupo SEB (Sistema Educacional Brasileiro), que possui escolas em oito estados com cerca de 45 mil alunos, a Concept já estava presente em Salvador e em Ribeirão Preto.

A unidade paulistana agora inaugurada, com 900 vagas, fica em um prédio tombado na avenida Nove de Julho, no Jardim Paulista (zona oeste), no antigo colégio Sacré-Couer, reformado a um custo de R$ 75 milhões. As próximas seriam no Rio, em 2019, e no Vale do Silício, em 2020.

O site da escola afirma que, além de ter sido criada “para quebrar os paradigmas da educação no Brasil”, tem currículo “trilíngue”, considerando, além do inglês e do português, “a fluência digital” como uma terceira língua. 

A tecnologia começa cedo, quando os bebês podem estar na brinquedoteca e ter um conteúdo projetado em uma parede, no teto ou no chão. “A partir de um ano ensinamos a lógica da programação”, diz Larissa Fonseca, coordenadora familiar da escola.

O calendário será o brasileiro, mas o currículo segue a  instituição britânica Fieldwork Education. A escola usa conceitos estrangeiros da moda, como o “mindfulness” (meditação para concentração), “habits of mind” (treino para o cérebro, com lições como persistir, controlar impulsos, usar conhecimento do passado para novas situações etc.) e “visible thinking routines” (técnica para aprimorar o pensamento).

O discurso da reinvenção da educação não é unanimidade dentre as novas escolas para a elite. “Os pais não querem que seus filhos sejam cobaias. Educação é tradição. Vamos avançar, mas sem ignorar o que foi feito antes”, afirma Michel Lam, proprietário da Red House –Escola Internacional de São Paulo. 

Aberta em 2010 para a educação infantil pelos fundadores da rede Red Ballon, terá nova sede para o ensino fundamental em 25 de maio, em um prédio tombado em Santa Cecília (centro), com investimento de R$ 50 milhões. Das atuais 140 vagas, passará para 650, com mensalidade entre R$ 4.000 e R$ 5.000.

Também com calendário brasileiro (“Não faz sentido ser diferente, alunos estrangeiros hoje são a minoria”, diz Lam), a Red House adotará currículo suíço, presente também em escolas americanas. 

“Mas a cultura a ser valorizada é a nacional. A festa junina será mais importante que o Halloween.” Lam, no entanto, afirma que o grande investimento do colégio é a qualidade do inglês e que a família deve saber o que busca. “Você obviamente não encontrará a melhor formação em literatura brasileira em uma escola internacional. É questão de perfil.”

TENDÊNCIA

Presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares, Ademar Batista Pereira afirma que os investimentos em colégios de elite são uma tendência no setor de educação. 

De acordo com ele, há dois anos o mercado passou a considerar essa fatia do setor uma área estratégica. Isso ocorreu, afirma Pereira, “na esteira da internacionalização do ensino superior”. 

“Empresários brasileiros venderam universidades para fundos de investimento, se capitalizaram e começaram a investir na educação básica”, afirma. 

“E a iniciativa privada responde ao anseio do mercado, uma educação que forme pessoas capazes de trabalhar em vários países”, complementa o presidente da federação de escolas particulares.

Se os investimentos em colégios de elite vão bem, as escolas particulares —em geral— ainda não viram o fim da crise econômica que afeta o setor. São, no país, 42 mil instituições, responsáveis por 14% dos estudantes. 

“Este ano deve ser o fundo do poço, no próximo esperamos começar a sair”, afirma Pereira.

Ele diz não estranhar que justamente o segmento de colégios de elite tenha crescido nesse momento: “A crise econômica é absolutamente concentradora de renda”, afirma.

Erramos: o texto foi alterado

Por erro da Redação, a reportagem informou incorretamente que a mensalidade do Colégio Concept é R$ 7.500. O valor correto é de cerca de R$ 6.000.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.