Ala militar quer ex-reitor da Universidade de Brasília como número 2 do MEC

Indicação seria uma forma de garantir apoio dos militares à permanência de Vélez Rodríguez

Ricardo Della Coletta Paulo Saldaña
Brasília

Para tentar estancar a crise no MEC (Ministério da Educação), a ala militar do governo Jair Bolsonaro (PSL) quer definir a nomeação do cargo número 2 na pasta. A aposta dos militares é o ex-reitor da UnB Ivan Camargo.

A indicação seria uma forma de garantir não apenas o apoio momentâneo dos militares à permanência do ministro Ricardo Vélez Rodríguez mas também configuraria uma espécie de intervenção branca na pasta.

Vélez precisou demitir o secretário-executivo Luiz Antonio Tozi após mudanças de cargos no ministério  atingirem alunos do escritor Olavo de Carvalho. O episódio expôs uma disputa entre o grupo de militares, olavistas e técnicos oriundos do Centro Paula Souza de São Paulo que atuam no MEC.

Outros dois nomes indicados por Vélez, Rubens Barreto e Ioelene Lima, foram barrados por pressão do mesmo grupo. A secretaria-executiva é considerada o motor do MEC, por onde passam todas as decisões importantes.

Camargo é próximo a militares da cúpula do governo. Engenheiro eletricista, foi reitor da UnB (Universidade de Brasília) entre 2012 e 2016. Entre outras funções, comandou a superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Desde a transição de governo os militares mantém influência no MEC. Os presidentes do FNDE, Carlos Alberto Decotelli, e do Inep, Marcus Vinicius Rodrigues, são do grupo. O presidente da Capes, Anderson Ribeiro, foi reitor do ITA, instituição de ensino ligada às Forças Armadas. 

Além disso, o general Osvaldo de Jesus Ferreira é presidente da Ebserh (Empresa Brasileia de Serviços Hospitalares), órgão também ligado ao MEC.

Erramos: o texto foi alterado

A reportagem afirmava incorretamente que Ivan Camargo é engenheiro elétrico. O correto é engenheiro eletricista.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.