Novo ministro da Educação, Weintraub defende expurgo do 'marxismo cultural'

Em evento promovido por Eduardo Bolsonaro, ele propôs xingar comunistas

Anna Virginia Balloussier
Rio de Janeiro

Jair Bolsonaro ainda não havia sido empossado quando Abraham Weintraub e seu irmão Arthur foram à Cúpula Conservadora, evento idealizado por Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em dezembro, e lá defenderam um expurgo do "marxismo cultural" nas universidades. Quem viam como um aliado natural nessa batalha: Olavo de Carvalho.

Os irmãos, à época, integravam a equipe de transição do presidente eleito e, voltados ao direito previdenciário, fizeram contribuições a programas do futuro governo nessa área.

Economista Abraham Weintraub, da Unifesp.Credito Reproduçao

Abraham defendeu, no resort em Foz do Iguaçu (PR) que abrigou o encontro direitista, que dava "pra ganhar deles [da esquerda]"  se os conservadores adaptassem as ideias de Olavo. Ah, e não podiam ser chatos.

“A gente tem que ser mais engraçado que os comunistas" para “ganhar a juventude”, disse, cumprindo o que prometeu já no início do painel: fazer uma apresentação “mais rock ‘n’ roll que MPB”.

Ali os irmãos Weintraub fizeram quase que um jogral para criticar o que enxergavam como um monopólio de ideias de esquerda nas universidades.

“Um pouco da contribuição que podemos dar é como vencer marxismo cultural nas universidades”, disse aquele que, exatos quatro meses depois, seria anunciado como substituto de Ricardo Vélez Rodríguez no MEC.

Abraham aconselhou a plateia: se um comunista chega com o "papo 'nhoim nhoim', xinga". Exatamente como o escritor Olavo de Carvalho sugere fazer. "Nesse tipo de diálogo", continuou, não dá para ter "premissas racionais".

Arthur também criticou a suposta dominação esquerdista no ensino superior do país. Contou que, quando estudou na USP, tinha “coleguinhas que diziam que não aprendiam inglês ou francês” por serem línguas imperialistas. Concluía de cara: “Esse cara tá fora do jogo”. Mas logo esses “foram para Brasília e ficaram ricos”, lamentou.

Os irmãos também alvejaram o comunismo um vírus, segundo Arthur e Fidel Castro. Para Abraham, o ditador não passa de um “playboy” fã de roupas de marca que atolou Cuba na pobreza.

PROXIMIDADE COM OLAVO

Weintraub foi apresentado a Bolsonaro por Onyx, mas o novo ministro da Educação tem proximidade com Olavo de Carvalho. O presidente escolheu um nome afinado ideologicamente com Olavo, mas sem vinculação direta com os grupos que disputam espaço. 

A lógica, segundo auxiliares do governo, foi evitar mais briga entre olavistas e militares. 

Apesar de ter sido anunciado pelo presidente como doutor, a plataforma Lattes indica que o economista tem apenas mestrado, finalizado em 2013 na FGV.

O site da Unifesp, onde o novo ministro leciona, também informa que Abraham possui apenas mestrado.  

Após o anúncio, Bolsonaro se retratou e corrigiu a informação.   

Na carreira profissional, segundo o currículo oficial, foi diretor estatutário do Banco Votorantim, CEO da Votorantim Corretora no Brasil e da Votorantim Securities nos Estados Unidos e na Inglaterra.

PERÍODO VÉLEZ 

A saída de Vélez era ensaiada havia algumas semanas por causa da crise permanente na pasta, expondo uma disputa entre militares e seguidores do escritor Olavo de Carvalho. Na sexta (5), Bolsonaro indicou a jornalistas que resolveria a questão nesta segunda.

Anunciado no dia 22 de novembro, Vélez Rodriguez foi uma das últimas definições para a Esplanada dos Ministérios.

A publicação no Twitter do então presidente eleito tirou o professor colombiano radicado no Brasil desde a década de 1970 de um considerável anonimato. Até dias antes, o próprio Vélez Rodríguez jamais havia pensado que um dia seria ministro da Educação.

Vélez chegou à equipe de Bolsonaro por indicação do escritor Olavo, guru e ideólogo direitista, patrocinada pelos filhos do presidente. 

Professor de filosofia, identificado com o conservadorismo, antipetismo e a luta contra o marxismo cultural, Vélez fez carreira discreta na própria instituição onde atuou por quase 30 anos, a Universidade Federal de Juiz de Fora. 

Sem ter se dedicado aos debates sobre políticas públicas e educação, montou uma equipe a partir da indicação de vários grupos, o que depois resultou em um mosaico de interesses e disputas.

Passaram a compor a pasta profissionais ligados aos militares, ex-alunos de Vélez, técnicos do Centro Paula Souza, de São Paulo, e discípulos de Olavo. Ironicamente, atritos com ex-alunos de Olavo provocariam o desgaste mais prolongado de Vélez.

A disputa também atrasou definição de políticas importantes para as redes de ensino, como a continuidade do apoio à implementação da Base Nacional Comum Curricular —programa retomado somente no dia 4 de abril.

Nesses três meses, dúvidas com relação às avaliações federais e sobre a definição do programa de livros didáticos, por exemplo, causaram incômodo com os secretários de educação de estados e municípios. 

Recentes problemas que alunos enfrentaram para a renovação do Fies (Financiamento Estudantil) ainda atingiram estudantes. A única meta para os 100 dias do MEC foi a apresentação de uma nova política de Alfabetização. Minuta do decreto indica a predominância de apenas um método de ensino, o fônico, e condiciona o recebimento de assistência técnica e financeira à adoção dessa política.

Quando veio à tona, foi criticada. O MEC promete publicar versão final, que já está na Casa Civil, nesta semana.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.