Exame de educação de adultos tem falha de segurança e Inep não garante prova

Presidente do órgão negou que as instabilidades políticas tenham influência na situação

Paulo Saldaña
Brasília

A realização do exame federal para certificação de educação de jovens e adultos sofreu uma falha de segurança no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão ligado ao MEC (Ministério da Educação). O governo Jair Bolsonaro (PSL) não garante que a prova será realizada como previsto, em agosto, nem mesmo neste ano.

O Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos) dá a oportunidade a jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental e médio obterem o certificado. As inscrições iniciaram nesta segunda-feira (20) e 730 mil pessoas já se cadastraram. Apesar do problema, o Inep afirma que os interessados mantenham o processo de inscrição, que vai até 31 de maio.

Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, presidente do Inep da gestão Jair Bolsonaro
Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, presidente do Inep da gestão Jair Bolsonaro - Divulgação/MEC

Segundo o novo presidente do Inep, Alexandre Lopes, houve uma quebra no protocolo de segurança do instituto, embora não haja informações de vazamento. Lopes negou que as instabilidades políticas que atingiram o órgão neste ano tenham efeito na situação. 

"De jeito nenhum [houve essa interferência]. Os servidores envolvidos estão no Inep há muito anos. O que houve foi o correto funcionamento do protocolo de segurança do Inep", disse ele na noite desta terça-feira (21) durante coletiva convocada pelo governo.

Lopes já é a terceira pessoa a assumir o Inep sob o governo Bolsonaro. Técnicos do instituto ouvidos pela Folha indicavam preocupação desde abril com a realização de todos os exames sob responsabilidade do órgão, como o Enem.

De acordo com o Inep, a falha de segurança ocorreu quando o arquivo digital da prova chegava até a gráfica. Pelo protocolo, o arquivo sai de uma sala segura dentro do instituto e é levado pessoalmente por um servidor até a gráfica, que fica em São Paulo.

Um outro servidor segue em outro voo com a senha memorizada. Este servidor teria esquecido a senha. Ao invés de iniciar novamente o processo, esse servidor ligou para o Inep para que a senha fosse informada por telefone --o que feriu o protocolo de segurança.

O caso foi descoberto pela equipe de segurança na segunda-feira, segundo Lopes. Dois servidores foram exonerados de seus cargos.

"Há chance de não ter a prova em agosto", disse ele, que também não garantiu a realização do exame neste ano. Lopes afirmou que será avaliado a necessidade de produção de outras questões ou se há viabilidade técnica e de segurança para o uso do mesmo arquivo.

A gráfica que vai imprimir o Encceja é a Valid, que fará o mesmo serviço referente ao Enem. O contrato para a impressão do Encceja (e outros exames, como Saeb e Enade) foi assinado dia 30 de abril por R$ 143 milhões.

Já o contrato para o Enem foi assinado nesta terça por R$ 151,7 milhões. O valor foi 6% maior do que no ano anterior.

O presidente do Inep negou que haja riscos de acontecer o mesmo com o Enem, que já recebeu mais de 6 milhões de inscritos neste ano. Lopes diz que a falha não envolveu a estrutura da gráfica, mas do Inep.

"O procedimento do Enem é mais rigoroso, porque há escolta dos servidores por policiais federais", disse. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.