UNE convoca megaprotesto no dia 15 contra cortes na educação, mas descarta greve

Atos devem ocorrer em todo o país; paralisações serão pontuais, diz líder da entidade

Angela Pinho Fernanda Canofre
São Paulo e Belo Horizonte

A UNE (União Nacional dos Estudantes) convocou estudantes de todo o país para uma mobilização nacional na próxima quarta-feira (15) contra os cortes de verba nas universidades federais anunciados pelo governo Jair Bolsonaro (PSL).

Sindicatos ligados à educação já haviam anunciado paralisação e manifestações nessa data contra a reforma da Previdência.

Com o bloqueio de verbas e a suspensão de bolsas de pesquisa, a UNE decidiu fazer uma nova convocação para os protestos e colocar a reversão dos cortes nas instituições como pauta prioritária.

Estudantes fazem assembleia na UFMG sobre adesão a protesto nacional no dia 15 de maio
Estudantes fazem assembleia na UFMG sobre adesão a protesto nacional no dia 15 de maio - Tainá Dutra

A entidade descarta, no entanto, uma greve estudantil posteriormente. "A nossa convocação é universidade aberta funcionando a todo vapor, porque o sonho do Bolsonaro é que a universidade pare", diz a presidente da entidade, Marianna Dias.

Apesar de afastar uma paralisação prolongada, ela afirma que os estudantes vão parar em dias pontuais, como na greve geral convocada para 14 de junho, e farão uma série de manifestações contra os cortes. "A mobilização vai ser todo dia, nas universidades e nas ruas, mas as paralisações vão ser pontuais."

Desde o anúncio dos cortes, alunos e pesquisadores já vêm promovendo atos em algumas cidades do país. A ideia é que a quarta-feira seja um marco da nacionalização desse movimento.

"O dia 15 vai ser um dia histórico, o início de uma movimentação massiva", afirma Marianna.

Segundo ela, que é aluna de pedagogia da Unip (Universidade Paulista), estudantes de instituições privadas também estão sendo convocados.

Em São Paulo, a manifestação acontece a partir das 14h no vão do Masp (Museu de Arte de São Paulo). A participação de alunos de outras localidades está sendo deliberada em assembleias por todo o país (veja abaixo lista de atos programados).

Universidades se preparam para mobilização

Nesta semana, após o anúncio do bloqueio, universidades e institutos federais organizaram assembleias para preparar a paralisação do dia 15. Na UFMG, a plenária reuniu cerca de 3,5 mil estudantes no fim da tarde de quinta (9). A universidade é a terceira mais impactada, com bloqueio previsto de R$ 64,6 milhões.

“Na próxima semana, vamos estar em diálogo com a população. Vamos fazer panfletagem, mostra do conhecimento do que a gente produz aqui dentro, entre outros fatores. A gente entende que é o momento de a sociedade ter ciência da produção que temos e da importância dela”, diz Anna Carolina de Paiva Leal, coordenadora geral do DCE da UFMG e integrante do movimento Afronte.

Desde quarta-feira (8), foram registradas manifestações em capitais como São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro e em cidades como Campina Grande e Niterói. A cidade fluminense, a 20 km do Rio de Janeiro, abriga a Universidade Federal Fluminense (UFF). 

De acordo com os organizadores, o ato contra o contingenciamento do governo Bolsonaro, realizado na quarta, reuniu entre 15 e 20 mil pessoas, contando com estudantes, professores, funcionários e comunidade. 

Segundo a UFF, a instituição teve um bloqueio de 38,2% do orçamento discricionário, o equivalente a R$ 55 milhões. O impacto é considerado severo, tendo em conta que a universidade já enfrenta subfinanciamento nos últimos anos. Os recursos para construções e compra de equipamentos passaram de R$ 91 milhões em 2013, para R$ 5,4 milhões em 2018, em valores reajustados pela inflação. 

A estimativa é que o corte afete imediatamente serviços como fornecimento de energia, água, vigilância, limpeza e transporte. Hoje, a universidade tem 47.254 alunos. Para o professor Reginaldo Costa, da faculdade de Educação, o bloqueio deixa a UFF em “nível de calamidade”. Além do impacto para a produção científica, diz ele, há ainda o impacto estrutural. 

“O limite que a gente sente cotidianamente é da estrutura. Os ares-condicionados das salas de aula já estão começando a quebrar, não tem manutenção para os computadores, há cortes de bolsas e diminuição de terceirizados da manutenção. O ônibus universitário que faz o translado dos professores, em algumas cidades, já foi cortado. Em Angra dos Reis, na segunda-feira, não teve aula porque não tinha motorista”, conta ele. 

Em Campos dos Goytacazes, um dos campus, alunos fizeram protesto contra a retirada de contêineres que são usados como sala de aula e para abrigar laboratórios e secretarias. O pagamento do aluguel das estruturas está atrasado. Os contêineres foram instaladas em 2009 para serem temporários. A previsão era que fossem retirados quando as obras de um novo prédio fossem entregues em 2012, o que não ocorreu. 

Na próxima quarta-feira, dia de mobilização nacional, alunos e professores pretendem montar tendas, com um movimento batizado de “Ciência na Praça”, para mostrar à população os projetos que são desenvolvidos na instituição. “Para ver se a gente consegue mostrar a sociedade que a UFF tem pertinência social”, diz Costa.

Confira abaixo alguns dos protestos já agendados para o dia 15, de acordo com informações divulgadas pela UNE na manhã desta sexta-feira (10):

AMAPÁ

Macapá: Praça das Bandeiras, às 15h

AMAZONAS

Manaus: Entrada da Ufam, a partir das 7h, e às 15h no centro da cidade

CEARÁ

Fortaleza: Praça da Bandeira, às 8h

DISTRITO FEDERAL

Brasília: Museu da República, às 10h

GOIÁS

Goiânia: Praça Universitária, às 14h

MARANHÃO

São Luís: Espaço de Vivência da UFMA, às 10h30

MATO GROSSO

Praça Alencastro, às 14h

MINAS GERAIS

Belo Horizonte: Praça da Estação, 9h30

Diamantina: Largo Dom João, 15h

PARANÁ

Curitiba: Praça Santos Andrade, 9h

RIO DE JANEIRO

Rio de Janeiro: Candelária, 15h

RIO GRANDE DO SUL

Caxias do Sul: Praça Dante Alighieri, às 16h30

Porto Alegre: Faculdade de Educação da UFRGS, às 18h

Viamão: centro da cidade, às 16h

SANTA CATARINA

Chapecó: Praça Coronel Bertaso, às 9h30

Florianópolis: Largo da Alfândega, 15h

SÃO PAULO

Campinas: Largo do Rosário, às 10h30

São Carlos: Praça Coronel Salles, às 9h

São Paulo: vão do Masp, na avenida Paulista, às 14h

Sorocaba: Praça Coronel Fernando Prestes, às 9h

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.